ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de lendas, crônicas, artigos, reproduções de reportagens de interesse nacional, fotos poesias, etc. É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

A SENHORA DO Ó DIZ AI

PENSAR HOJE PARA NÃO SE ARREPENDER AMANHÃ
EM 2014, QUANDO PUBLIQUEI AQUI MESMO UM TEXTO MAIS OU MENOS PARECIDO, ALGUNS DISSERAM QUE NÃO ERA VERDADE  QUE A IGREJA ESTAVA SENDO DESTELHADA COM TODAS AS IMAGENS DENTRO, SOFRENDO RISCOS TOTAIS -  AS FOTOS FALAM POR SI - SE NÃO É O BASTANTE, AMPLIE E OLHE OS NICHOS, VEJA O QUE HÁ DENTRO. OBS. ESSA IMAGEM É DE 2014, QUANDO FOI DESTELHADA A MATRIZ. POSTEI-A COMO COMPROVAÇÃO DE QUE NESSE PERÍODO DESTELHARAM A MATRIZ COM TODO O ACERVO SACRO EM SEU INTERIOR.
Ontem, algumas pessoas me telefonaram para informar-me sobre fatos ocorridos na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó, em Nísia Floresta, os quais deixaram-me profundamente abalado. 
Antes, convém dizer que estive na Matriz no dia da eleição e constatei várias descaracterizações em sua "restauração", mas evitei interferir, pois, diante do contexto de dilapidação do patrimônio histórico brasileiro – associado à falta de conhecimento de diversas autoridades à frente dos ditos prédios históricos – somados à inércia do próprio povo (com raras exceções obviamente), pessoas iguais a mim são apedrejadas quando lançam luzes sobre esses imbróglios imperdoáveis. 
Seja como for, ontem não consegui fingir que não sabia. É intolerável. E também não me importo em externar a minha opinião. Não posso me comportar como os hipócritas que, às custas de interesses diferenciados, fazem vistas grossas ou até mesmo endossam tais truculências. Amanhã os meus bisnetos entenderão e agradecerão. Isso, sim, me importa. 
Soube que na missa do domingo passado foi exposto que serão construídos dois nichos na nave lateral para abrigar as imagens dos mártires de Uruaçú e Cunhaú. Mesmo sabendo que é inadmissível essa interferência arquitetônica, qual a relação dos tais mártires com Nísia Floresta?! 
É certo que são figuras históricas e cultuadas, mas não o ponto de se descaracterizar um exemplar raro da arquitetura sacra. Nada contra o culto aos personagens em questão, mas tudo contra o crime de se rasgar as paredes da Matriz para tamanho dano ao patrimônio histórico. 
Basta o nicho tosco que foi anexado às paredes do lado direito – verdadeiro crime à História da arte sacra do Rio Grande do Norte – que pela lógica deveria ser extirpado, inclusive percebo que andam mexendo na Matriz como quem mexe nos paralelepípedos da rua ou nas barracas da feira. Isso é inadmissível e as pessoas precisam se dar conta disso. Chega de inércia. 
Quando o assunto é dano ao patrimônio histórico, tanto faz retirar elementos (surrupiar, quebrar, danificar etc) quanto anexar novos elementos, interfirindo na sua arquitetura original. É o caso da ideia absurda desse nicho (inclusive, onde estão as pedras de mais de 300 trezentos anos que retiraram das paredes para dar lugar arremedo de nicho do lado direito?). Espero que Fabiano as tenha guardado. Ou estão servindo de trempes para algum fogareiro? Viraram metralha? Viraram baldrame? Alicerces?
Percebi - pasmem - que mexeram nos dois grandes nichos - o do Bom Jesus dos Martírios e o de Nossa Senhora do Rosário, os quais ficam dispostos diante do altar-mor. Peça de extraordinária beleza e significado.  São exatamente as duas pontas, esculpidas de maneira que se curvava diante do Santíssimo, numa clara deferência. Certamente foi a maneira que os arquitetos e padres da época encontraram para assinalar que ali estava o supra-sumo celestial. Esse material está todo revestido em ouro (saibam os autores desse ato impensado). Teriam guardado os pedaços ou se transformou em lenha?
Confesso que não compreendo como a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó, que com certeza tem um Conselho, não há quem busque os caminhos certos – em tempo hábil – para pensar os passos tomados nessa reforma/"restauraçção". Antes, quero ressaltar o meu respeito a todos, afinal nem sei quem são. Mas não há mais como tolerar essa sucessão de vezes que se colocam o carro antes dos bois. Antes de se construir um nicho, deve-se, primeiramente procurar o IPHAN e a Fundação José Augusto. Isso não foi feito em 2005. Quando deram conta o nicho estava sendo concluído. A melhor pessoa nesse caso é o especialista em obras desse tipo, Dr. Paulo Heider. É ele que dará o diagnóstico. O negócio não é FAZER NICHOS, mas SABER SE NICHOS PODEM SER FEITOS.
EM 2014, QUANDO PUBLIQUEI AQUI MESMO UM TEXTO MAIS OU MENOS PARECIDO, ALGUNS DISSERAM QUE NÃO ERA VERDADE  QUE A IGREJA ESTAVA SENDO DESTELHADA COM TODAS AS IMAGENS DENTRO, SOFRENDO RISCOS TOTAIS -  AS FOTOS FALAM POR SI - SE NÃO É O BASTANTE, AMPLIE E OLHE OS NICHOS, VEJA O QUE HÁ DENTRO.. OBS. ESSA IMAGEM É DE 2014, QUANDO FOI DESTELHADA A MATRIZ. POSTEI-A COMO COMPROVAÇÃO DE QUE NESSE PERÍODO DESTELHARAM A MATRIZ COM TODO O ACERVO SACRO EM SEU INTERIOR.
É inadmissível, em pleno século XXI, autoridades nos mais diversos ramos – e o próprio povo – (salvo raras exceções) não tratar com o devido respeito esse santuário sagrado por sua história e riquezas incalculáveis. Tenho testemunhado pessoas comuns e totalmente inexperientes, pululando pela Matriz com foros de ajudantes –, manuseando peças do acervo histórico dos séculos XVIII e XIX – e tudo mais – como quem manipula laranja na feira. Isso dói na alma. Incomoda. 
Recentemente eu fazia uma pesquisa em Alcaçuz e vi uma naveta em prata portuguesa na Capela daquela freguesia. Fiquei sem acreditar, reconhecendo-a imediatamente como acervo da Matriz de Nossa Senhora do Ó. Perguntei por que a peça estava ali. Disseram-me que fora emprestada para a Capela. Meu Deus do Céu! Isso não existe. Alguém já viu um grupo de estudantes tomar emprestada a espada que D. Pedro saudou o povo no dia da Independência para levar numa gincana escolar ? Impossível. Pois é mais ou menos isso.
Ao apurar o caso da naveta, soube que outros elementos de incalculável valor, pertencentes à Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó, estão sendo emprestados para outras capelas. Não pode. Até um bebê sabe disso. Até mesmo a custódia é manuseada para vários cantos sem que se deem conta do seu valor incalculável. 
Sinto falta de um RELICÁRIO EM OURO E PRATA PUROS e outras peças que eu via corriqueiramente, mas atualmente estão encantadas (ou surrupiadas?). 
Onde anda essa peça?  
O ASSUNTO É GRAVE E A ARQUIDIOCESE PRECISA RESOLVER ISSO - DO CONTRÁRIO COMUNICAREI AO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E MINISTÉRIO DA CULTURA PARA A DEVIDA PROVIDÊNCIA!
A imagem européia de Nossa Senhora do Ó, restaurada em 1997 – sob os cuidados do padre João Batista Chaves da Rocha - está danificada - o mesmo ocorre com a "Nossa Senhora do Ó Pequena", conforme dizem os nativos - tais peças de simbologias e valores incalculáveis estão sendo manuseadas sem aquele cuidado esmerado que tinha Yayá Paiva, Sr. Bambão, Lorica e tantos outros católicos que escolhiam a dedo quem tirava, quem colocava de volta, quem carregava o andor, enfim até quem podia ajudar a limpar uma imagem ou objeto sacro. E estavam certos, pois se trata de uma peça do século XVIII. Não é uma boneca Barbie. 
Dia desses eu entrei numa igreja e pensei estar num circo. Nunca vi tanta "risadagem", tanta brincadeira de meninos e meninas que pareciam tudo, mesmos estar à serviço da Igreja Matriz. De onde vem tanto desrespeito dessa geração?
Já não bastam os furtos feitos à essa igreja, seja por falsos sacerdotes, falsos beatos, falsos ajudantes que nas caladas da noite – falseando transportar alguma coisa corriqueira e sem valor – saquearam grande parte dos bens da Matriz ao longo dos anos. 
Que sociedade é essa que assiste a tudo isso e se cala?!!! Onde estão os católicos de Nísia Floresta?  Onde estão as pessoas esclarecidas – ou que se mostram tais – que assistem a dilapidação da história em silêncio? Confesso que estou estarrecido e chego a não acreditar a história afrontosa desse nicho. 
Só espero que o Padre João Batista tome conhecimento dessa história e interfira nessa possibilidade absurda que, só de ouvi-la, tira o sono de qualquer um.
A Igreja Matriz de Nísia Floresta possui o maior acervo sacro do Rio Grande do Norte. Se continuar como está, onde o próprio povo – com raras exceções – não lhe mostra desvelo algum, pode ter certeza que vai desaparecer muita coisa. E é bom lembrar que há ladrões observando também. E quando esses ladrões vierem cumprir o seu papel, nunca digam que não houve o alerta. Isso já ocorreu em Mipibu na década de 1980.
Já não basta uma Igreja Matriz desse nível estar sendo "restaurada" sem acompanhamento de especialistas, e sem as políticas de manuseio corretas de seus bens, vem-se propor a insana construção de nichos. É inadmissível. 
É muita vaidade e de certo modo, ingenuidade, entender isso como "deixar a marca". Que marca é essa? Só se for a marca da descaracterização do patrimônio histórico.
Em 2004 um grupo de meninos – inclusive coroinhas – assaram caju num vaso de bronze do século XIX, nos fundos do quintal da Matriz. Creio que alguns achem isso normal. Mas não é. Eu ainda os corrigi, guardei a peça e depois a mostrei ao Pe. Batista, inclusive foi restaurada. 
Falta das pessoas que estão adiante da Matriz, sejam leigas ou não, saber que tudo o que precisar que ser mexido, carece de cuidados extremados, minuciosos, pensados, deliberados etc. Tem coisas que precisam ser manuseadas a sete mãos, sob o aval de órgãos especializados. Não é de qualquer jeito.
Lembro-me, em 1997 quando o Padre João Batista propôs a reforma da imagem grande de Nossa Senhora do Ó. Vieram especialistas do Pernambuco e de Natal, tudo foi pensado com antecedência. A imagem saiu de Nísia Floresta escoltada pela Polícia Federal, pois é um patrimônio de valor incalculável, inclusive, nesse dia, quem a recebeu em São José de Mipibu foi Dom Heitor. Depois a imagem viajou para Cabo, Pernambuco (salvo engano). Mas foi exatamente assim. Tudo pensado, deliberado...
É torturante saber que as peças são tratadas dessa forma. Daqui a pouco se achará normal que o atual turíbulo sirva de fogareiro para assar cane em algum lugar. Só falta isso.
Faz-se necessário, com urgência, o Arcebispo de Natal formar um conselho para administrar e acompanhar reformas, restaurações de igrejas históricas, listando os bens pertencentes e acompanhando tudo isso de perto, inclusive suas restaurações, principalmente a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó. 
Há necessidade de um inventário geral de todo o patrimônio da igreja, inclusive materiais retirados e provenientes de reforma. Nem esse material pode ser descartado sem o aval de um grande especialista. Esse Conselho deve ser constituído por integrantes de órgãos governamentais ligados ao patrimônio histórico (arquitetos, engenheiros civis, museólogos, historiadores e, obviamente padres versados no assunto na Arquidiocese).  
A propósito, urge reeducar a sociedade para ter consciência sobre o que de fato representa o patrimônio histórico da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó, inclusive é um dos assuntos que mais escrevo no meu blog, aliás, trabalho isso desde 1992. 
Sempre procurei construir uma educação para o patrimônio histórico e a memória de modo que todos o enxerguem com olhos de pertencimento.
Se não existir um colegiado de peso, eleito pela Arquidiocese, que tenha poder para dizer o que pode e o que não pode fazer numa igreja histórica, em breve legaremos aos nossos netos um arremedo de Igreja Matriz. Também tenho convicção que algumas relíquias da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó não podem mais estar sendo manuseadas nem pelos próprios sacerdotes que por ela passam, pois são peças únicas, que além do risco de acidentes e danos irreversíveis, não podem estar tão à mostra devido "bandidos olheiros" que observam o que a igreja possui e onde é guardado. O que observo é que está tudo errado. ESSE MATERIAL TEM QUE SER PROTEGIDO COM A DEVIDA SEGURANÇA.
Diante disso tudo, quero avisar que estou encaminhando, na presente data, uma denúncia à Promotoria de Nísia Floresta, ao IPHAN de Natal, à Fundação José Augusto, à Diocese de Natal e, se não resolver vou para outras instâncias. É inadmissível que, diante da experiencia anterior não se tenham aprendido que o patrimônio da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó não pode ser tratado dessa forma. Quero apenas que o povo de Nísia Floresta se conscientize da gravidade do assunto. 
Tenho certeza que Nossa Senhora, ao invés de dizer Ó, está dizendo AI! 
Respeitosamente,

Luís Carlos Freire

4 comentários:

  1. Prezado e estimado historiador Luiz Carlos Freire. Acabei de ler seu artigo acima. Estou totalmente de acordo com seus questionamentos e tão profunda reflexão.  Tenha a certeza que comungo com suas preocupações quanto ao acervo histórico e sacro da Igreja Matriz de Nisia Floresta. Espero que meu irmão o Padre AJosenildo repense e não execute  esse projeto de mais um altar na lateral da Igreja. Todo o conjunto construído nos fala de uma só época. O desenho, o material e a própria execução comunicam o tempo e a cultura.  Um retalho de elementos acrescentados a cada momento desrespeita a harmonia e dificulta a leitura de uma determinada cultura e pensamento teológico-cultural e litúrgico. Um forte abraço e parabéns pelo zelo e carinho pelas verdadeiras riquezas de Papari.
    Padre João Batista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Padre João Batista, que bom que o senhor tomou conhecimento. Sinto pela resistência que alguns têm de se conscientizar sobre tais reflexões. É inadmissível que em pleno sec. XXI ainda existam autoridades ignorando assunto tão óbvio e sério. Obrigado pelo apoio. Tenha certeza que a maioria dos paparienses pensam iguais a nós.

      Excluir
  2. Estimado sr Luiz Carlos Freire
    Conforme o seu pedido, hoje dia 8 de novembro por volta das 10:30h, conversei bastante por telefone com o Padre Ajosenildo sobre a reforma da Igreja de Nisia Floresta e suas preocupações em relação a preservação da mesma. Entre inúmeros assuntos que tratamos com bastante abertura, falei sobre o possível altar que seria construido na lateral da Igreja e apresentei ao padre "Ajó" as mesmas preocupações que externei em meu comentário anterior. O Padre Ajosenildo garantiu-me que o projeto não seria executado retirando "pedras das paredes". Mesmo assim, continuei pedindo que não realizasse a referida construção. Por fim ele propôs que qualquer dúvida que o senhor tenha neste sentido que o procure que irá recebê-lo com prazer para melhores esclarecimentos.
    Como o patrimônio da Igreja Matriz de Nísia Floresta pertence não somente aos fieis locais, mas a toda Arquidiocese de Natal ao Rio Grande do Norte e Brasil, devemos juntos acompanhar com zelo qualquer intervenção que com carinho alguém queira fazer em edifícios históricos. Confiando no Padre Ajosenildo no Conselho Paroquial e em toda equipe dos serviços que estão sendo realizados na Matriz, aguardemos com espírito fraterno os próximos encaminhamentos.
    Padre João Batista - Coordenador de Arte Sacra

    ResponderExcluir
  3. Caríssimo PADRE João Batista Chaves da Rocha, meus cumprimentos! Agradeço-lhe a gentileza da observação. Na realidade, como expus no meu texto, muitas pessoas me avisaram, preocupadas, pois ao ouvirem o anúncio feito na missa, me relacionaram logo ao assunto, pois são revoltadas contra aquele nicho horroroso e de extremo mal gosto feito na nave direita (e o senhor reconhece que aquilo foi um crime, afinal descaracetrizaram uma igreja de quase 300 anos).
    O senhor sabe como é a cultura de boa parte das cidades interioranas; as pessoas - com algumas exceções - têm medo de se manifestar e procuram aquelas que eu não diriam que não têm medo, mas que têm esse zelo pelas coisas da história, como é o meu caso, e de longas datas. Ao longo dos séculos o povo foi moldado a sentir medo e se curvar ao feitos de reis, clérigos e autoridades de Estado, sem questionamentos. A Santa Inquisição, a Monarquia, o Coronelismo e a ditadura Militar que o digam.
    As pessoas que me participaram tal assunto são católicas e têm o mesmo respeito que eu tenho às coisas da Matriz de Nossa Senhora do Ó, mas têm esse medo antigo, esse medo cultural. Confesso ao senhor que eu não tenho tempo de estar indo a lugar algum conversando com quem quer que seja para pedir isso ou aquilo, pois as pessoas que estão a diante de um projeto, devem ter consciência dele como um todo.
    Confesso que me assustei com essa "anunciação" feita pelo atual administrador da referida Matriz. Mas, no frigir dos ovos, foi importante esse acontecimento, pois no bojo das reflexões, expus a minha preocupação sobre peças sacras que eu via com frequência dentro da Igreja Matriz desde 1992 e que não vejo mais. Já perguntei a várias pessoas e ninguém sabe.
    Só para o senhor ter ideia, desde 2003 não vejo mais o Relicário. Desde 2005 não vejo mais um crucifixo de madeira de lei, folheado a ouro. É uma das mais belas peças da Matriz. Tenho certeza que qualquer pessoa sensata sente o mesmo que eu sinto, pois se trata de um acervo de valor incalculável.
    As reflexões feitas sobre essas peças desaparecidas (ou que foram guardadas sem que a população tivesse conhecimento, afinal faz tempo demais que não são expostas) servem para abrir os olhos da população, a qual deve ter esse mesmo zelo que eu tenho, mas a parte relacionada ao atual administrador, que ele repense a questão desse altar/nicho, pois é, de fato, descaracterização. Tudo isso é parte da História Sacra do Brasil.
    Encerrando, sugiro-lhe um levantamento geral do patrimônio histórico da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Ó, com fotos e históricos específicos sobre cada imagem, objeto, paramentos sacerdotais, enfim tudo o que é antigo e pertence à Matriz e às capelas. Esse 'inventário' serviria para pesquisas universitárias e escolares, enfim para quem quer que fosse, e seria também uma forma de as pessoas saberem e acompanharem o que existe na Matriz. O zelo cabe a todos nós. De qualquer modo, muito obrigado por vossa atenção.Um grande abraço!

    ResponderExcluir