ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de lendas, crônicas, artigos, reproduções de reportagens de interesse nacional, fotos poesias, etc. É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O VOTO É O FUTURO

 
"O voto é o futuro"... foi assim que eu quis começar este texto, pois em toda a nossa existência, estaremos sempre votando no amanhã (que pode ser o dia seguinte, o mês seguinte, o ano seguinte...). Jamais votaremos no que passou. Você já pensou nisso? Se não pensou, pense, pois é assunto sério. É pelo voto que sua cidade, seu estado, seu país se encontra como está. Se está pleno de cidadania, ótimo! Se está deplorável, pena! É você que decide, e por um único instrumento: o voto.
Quando você estiver analisando em quem votar, olhe quem são os candidatos (as). Analise bem os que estão nas mídias, e já começam a caminhar sutilmente por seu município. Considere - em primeiro lugar - que em quase todo o Brasil existe um comportamento que vem sendo combatido pelas pessoas inteligentes, pelo Ministério Público, pelo Tribunal Regional Eleitoral, por ONG's e pela Polícia Federal. Esse comportamento resume os piores vícios, como compra de votos, desvio de dinheiro público, nepotismo, descaso com o serviço público etc. É o que leva o Brasil para trás, independente de partido político. Não analise partido político, analise pessoas, pois não são os partidos que cometem injustiças, arbitrariedades, desvios de dinheiro etc - nem são partidos que promovem cidadania e justiça - são pessoas. Obviamente há partidos que historicamente são feitos pela escória (cabe a você estudar e refletir).
Os adeptos da politicagem não estão preocupadas em trazer cidadania para o povo, mas preocupadas em chegar ao poder para dar vazão à corrupção, portanto vale tudo em prol de chegar lá. Tais senhores (se assim devem ser chamados), são "raposas velhas". Eles (as) teatralizam por onde passam.
Nos programas eleitorais gratuitos surgem como salvadores da pátria. Há toda uma estrutura de marketing por trás. São ensinadas até mesmo as suas condutas diárias durante a eleição. Muitos são "atores" por vida e, animados pelos marqueteiros, viram 'experts'. 
Boa parte dos eleitores, inocentes, ignorantes ou sob efeito de lavagem cerebral, votam porque o (a) candidato (a) está cheio de joias, bem vestido, sorri com facilidade, abraça, pega na mão, desceu de um carrão, tem a pele alva etc etc etc (isso é resquício forte da época da escravidão e, depois, dos coronéis). 
Cabe-nos fazer o povo refletir que tais candidatos são esses "atores" que estão por aí, aos montes, surrupiando os cofres públicos e legando ao povo um município deficiente, que caminha para trás. Na realidade, são ladrões disfarçados. Bandidos mesmo!
Cabe a você, eleitor brasileiro, observar e escolher:
Observe se o (a) candidato (a) que bate à sua porta é iniciante na política. Preste atenção no caráter dessa pessoa, veja se se trata de alguém que tem como hábito se envolver em alguma causa social. Se tal candidato tem competência, é pessoa idônea, merece muito o seu voto.
Se for um (a) candidato (a) que já traz um currículo na política, analise-o minuciosamente. Veja se a pessoa é participante ativa nas causas sociais. Se ela busca algo de bom e novo para o município, se ela apresenta projetos políticos de relevância (não me refiro a colocação de um bueiro aqui ou um poste ali), mas a algo que beneficia o maior número de pessoas, principalmente o que faz a pessoa pensar e ser melhor assistida. Coisa que de orgulho ao munícipe. Ela também merece o seu voto.
Se se trata de um (a) candidato (a) que hoje tem o pai gestor, amanhã o marido, depois o tio, depois de amanhã um sobrinho, depois um primo, depois a irmã, depois o cunhado, depois o avô tenha muito cuidado. Essas pessoas normalmente construíram uma teia de estratégias para se fortalecer no poder. Sua única preocupação é a garantia de que seu grupo continue com o poder para manter o seu alto padrão de vida. E mais nada. 
Assim como uma máfia, elas são organizadíssimas na corrupção. Estão mais preocupadas em repartir o bolo -  que é o dinheiro das verbas públicas - entre os seus parentes e amigos de extrema confiança. Elas não estão preocupadas em produzir cidadania, pois quem assim o faz, leva esse povo à liberdade. E eles querem lhe colocar em currais, pois curral é miséria, é ignorância, enfim toda sorte de precariedade. Assim conseguirão contar sempre com seus currais. Para elas, povo é lixo. Só serve para dar voto. Depois da campanha, não tem valor algum.
Normalmente esses candidatos eternos ficam com a metade ou mais das verbas públicas. É por essa razão que eles sempre pagam muito bem pelos votos. E tais pagamentos, haja vista as punições legais a que estão sujeitos, são feitos por seus representantes de distritos, bairros, comunidades etc, através de artimanhas muito bem feitas por contadores e chefes de finanças municipais/estaduais/federais. Eles fazem a coisa muito bem feita, se é que assim possamos entender.
Tais senhores e senhoras estão sempre dando uma 'merrecazinha' aqui e ali para seus seguidores, os quais se enquadram nas categorias de lideranças de bairros e comunidades (se é que devamos chamá-los assim). Tais candidatos (as) sempre tem dinheiro disponível para bancar uma 'feijoadazinha' aqui, uns comes e bebes ali, enfim estão sempre custeando algo, pois o dinheiro não é dele (a), é dinheiro público. Outrora dão 'agradozinhos' para donos de blogs ou outras mídias para que nunca publiquem nada que "desabone" a sua moral.
Esse comportamento desleal é corrupção pura. E o povo que aceita isso é tão corrupto quanto.
Os candidatos sérios e competentes, que fazem uma campanha correta, verdadeiramente cidadã,  baseada na conscientização, sem compra de votos - com um programa de governo 'pé no chão' - e que têm condição de transformar o seu município para melhor, enfrentarão dificuldades abissais. Mas é neles que você deve votar, pois serão eles os que atenderão aos anseios coletivos.
Parte do povo - deseducada - sempre acha que voto deve ser vendido mesmo. Talvez estejam tão habituados a serem tratados como cachorros, que se comportam como tais. Não têm firmeza em dizer "alto lá, meu senhor, minha senhora, vá pedir votos em outra freguesia; você não tem moral para ter um mandato".
Os candidatos sérios, éticos e honestos jamais permitirão uma campanha suja, pois sabem que esse dinheiro distribuído de maneira tão fácil veio daquele recurso desviado. Tenha certeza que aquele dinheiro que seu parente recebeu em campanha anterior, foi dinheiro desviado, que era para construir uma escola, paramentar um posto de saúde, comprar merenda, construir um hospital, ministrar um curso gratuito etc etc etc...
Dinheiro público não é para ser distribuído como se dá guloseimas às crianças. Dinheiro público é para ser aplicado nos serviço público: transportes, estradas, merenda escolar, bibliotecas, hospital, esporte, turismo, enfim naquilo que beneficia oi maior número de pessoas, e com igualdade.
Analise obviamente o (a) candidato (a) que vem de oligarquia que já mencionei acima, acaso ela exista em seu município ou em seu estado. 
Somente no país da carochinha as oligarquias fazem com que o povo sinta orgulho de morar onde moram. Se nesse país da carochinha lhe dá bom hospital, boa biblioteca, bom esporte, bom lazer, boas estradas, boa educação, boa merenda escolar, boa cultura, enfim faz a diferença e trabalha com cidadania, a ponto de você sentir orgulho do serviço público, "acredite nela". "Vote nessa oligarquia".
Finalizando, olhe bem quem está sendo anunciado como candidato (a). Vote, de preferência em quem nunca esteve no poder. Dê-lhe a chance. Coloque na sua cabeça uma coisa: se você for enganado por tal pessoa, siga essa tática, sempre (procure um novo nome na próxima eleição). Uma hora você acertará, afinal existem nesse mundão de Deus muitas pessoas idôneas iguais a você. Não pensemos que todos são corruptos. Seria um caos. Há muita gente de bem por aí, na sua cidade, no seu estado, no seu país. Pense, pois o voto é o futuro. 
Tenho certeza que você é inteligente e não quer continuar sendo eternamente plateia, assistindo às mais estapafúrdias tragédias durante toda a sua vida: a tragédia da corrupção. Tragédia dos bandidos/"atores", perfumados, cheios de joias, bem vestidos, falantes, alegres, super felizes (pelo menos antes deitar a cabeça no travesseiro). Tais senhores e senhoras podem até se despir dos seus luxos durante a campanha (para disfarçar), mas você é inteligente e sabe que é "teatro".  Quem sabe um deles está passando por sua rua nesse momento, ou batendo palma em seu portão. O que você vai dizer a ele (ela)? Que futuro você quer?

3 comentários:

  1. Parabéns!!!!
    O íntegro não negocia a sua essência
    Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, André. Obrigado por sua colaboração. Você, homem de bem - e do bem - sabe muito bem disso.

      Excluir