ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de crônicas, artigos, fotos poemas, etc. O autor ministra palestras e pode ser convidado através do e-mail: luiscarlosfreire.freire@yahoo.com.br. Fone: 99827.8517 - É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

MATA DA BICA - MEMÓRIAS E REFLEXÓES


  
O texto que se desenrolará a partir daqui é fruto de uma pesquisa que fiz em 2008, in loco, com moradores das proximidades da “Mata da Bica”. Eu havia reunido uma porção de anotações e transcrições de áudio feitas depois de andar por alguns meses por esse pedacinho de terra mipibuense. O chumaço grosso de papel estava esquecido numa de minhas caixas velhas. Ontem me reencontrei com esse material e resolvi organizá-lo, receando que o pacote sambado pelo tempo continuasse ignorado pela correia da vida.
Essa pesquisa não revelará nada de extraordinário, mas não deixa de significar um grãozinho de areia na construção da história local. O que tem de inédito por aqui são apenas reminiscências de alguns velhos moradores e sua relação com o referido lugar. O fato de os entrevistados serem pessoas idosas e nativas dá mérito ao registro de suas memórias. Não se trata de um trabalho acadêmico e tampouco se propõe a contar a história da Bica, mas trazer à luz nuanças da impagável memória de alguns anônimos.
Sabemos que esse minúsculo bosque é resquício de Mata Atlântica e que a natureza se encarregou de privilegiá-lo com muitos “olheiros” (ou “olhos d’água”) que dão origem ao Rio Mipibu. Seus derredores são pincelados por uma sobra de árvores muito antigas (talvez centenárias, segundo afirmam alguns ribeirinhos), plantas aquáticas e não aquáticas, mas simpatizadas com a água. Há uma variedade de parasitas e "trepadeiras" que dão ao local beleza singular. O cenário é tão bucólico e aprazível que o visitante o queria eterno em sua janela.
Estamos cansados de saber que nas imediações do Rio Mipibu existiu uma comunidade indígena com o referido topônimo, o qual também se tornou o nome de batismo do próprio município.

Rio Mipibu com "lavadeiras" e seus filhos repetindo a cena secular.
Como sabemos, desde os primórdios o homem fez morada próximo aos lugares onde existia água perene. E não foi diferente nessa região. Depois dos nativos apareceram os primeiros moradores brancos e mestiços para dar origem a Vila de São José do Rio Grande, no século XVII. A água da "Bica" subia a ladeira íngreme sob lombos de jumentos, jarras de barro ou cabaças carregadas na própria cabeça dos nativos. Desse modo abasteciam as moradas, inclusive dos próprios frades capuchinhos que comandavam os aldeamentos locais, evangelizando a população nativa.

OS 'AGUADEIROS', OU CARREGADORES DE ÁGUA PASSAVAM O DIA SUBINDO E DESCENDO A 'LADEIRA DO JAPÃO' - ESSA IMAGEM É MERAMENTE ILUSTRATIVA
Nessa época o vavavu de gente subindo e descendo a “ladeira do Japão”, também chamada “ladeira do quebra c.” era incontinenti. “Aguadeiros” e “aguadeiras” transitavam o dia inteiro, transportando água para consumo próprio e para venda. O pagamento aos vendedores de água era por via de “patacão", ou seja, de dinheiro, mas o “escambo” disputava o mesmo ônus, embora não usassem tal denominação, obviamente”. A água era trocada por carne de sol, fato, queijo, leite, mangaio, enfim com o que o interessado disponibilizasse e o transportador aceitasse.
Antigos Relatórios de Governos registram alguns episódios relacionados à Bica, por exemplo, no ano de 1876 o governador da província do Rio Grande do Norte autorizou a aplicação de três contos de réis para “melhoramentos” nesse espaço, o qual tinha utilidade pública. Era a “fonte local”, vamos dizer assim.
Somente no ano de 1912, houve preocupação governamental com a canalização dessas águas – à época com foros de cidade – permitindo maior conforto aos moradores. 

É inacreditável que o povo assista a isso em silêncio.
Foi instalado um motor e uma bomba que impulsionava o preciso líquido para a parte alta da cidade. Os canos eram de ferro. O reservatório ficava ao lado da Igreja Matriz de Santana e São Joaquim, exatamente sobre uma parte do prédio da Câmara Municipal. Até hoje o “feitio” da chamada “caixa d’água” se encontra ali. Tal inovação consistiu num evento marcante para São José de Mipibu, pois extinguiu a prática desgastante de carregar água por longo trecho de ladeira.
Um dos últimos vendedores de água de São José de Mipibu – ainda vivo – é o famoso Mário (hoje idoso e morador do Abrigo Anízia Pessoa). Esse cidadão entrou para o folclore local devido a uma brincadeira. Quando as pessoas passavam por ele, gritavam “olha a cobra”. Ele interagia, saltitando e rindo com seu modo peculiar. Seus contemporâneos dizem que ele foi um homem bonito, ajudado pelo corpo escultural, lapidado pelos anos sucessivos de “lata d’água na cabeça” e constante sobe e desce ladeiras.
Ao longo do tempo a "Mata da Bica" tomou foros de “casa de banho” e lavanderia, mas com características distintas. Havia horário diferente para homem e mulher. No início represaram as límpidas águas com a ajuda de troncos de coqueiro e outros tipos de árvores, permitindo que se formasse uma bela lâmina de água com profundidade que tinha a altura de um homem adulto. As casinhas para troca de roupa eram de palha de coqueiro e madeira rústica.
De acordo com o Sr. RAFAEL TERTULIANO DA PENHA, 74 anos, era comum alguns homens desrespeitar as regras, “brechando” as mulheres e “fazendo coisas”. Segundo ele, quando isso acontecia, dava muita confusão e logo diziam que “tinha tarado na Bica”. Nessas ocasiões, alguns homens empreendiam buscas no local para colocar o pervertido para correr.
Devido a grande movimentação no local foi construída uma estrutura de alvenaria nos conformes de como era o projeto rústico, conservando o reservatório, cuja água escorria por galerias e canos de ferro. Fizeram-se banheiros fechados e locais específicos para lavar roupa e tomar banho. Não há registro escrito sobre quando se deu essa adequação mais civilizada ao local, mas pelas suposições de antigos moradores, pode ser sido no final de década de 1940 para 1950.


Tomar banho de bica é algo cultural em todo o Rio Grande do Norte. Observe que quem tem oportunidade, improvisa um chuveiro no “oitão” da casa, no quintal, debaixo de alguma árvore, enfim é parte do lazer de muitas famílias até hoje. Mas, à época da antiga "Bica", isso não era privilégio apenas da "Bica". Havia muitos banheiros particulares pela cidade, embora sem a exuberância do local original. Quem quisesse se refrescar – ou mesmo tomar o necessário banho do final da tarde – bastava pagar ao dono de algum “banho público”.
A movimentação da população na "Bica" para fins de banho foi se tornando acanhada com o passar do tempo, conforme o município tomava ares mais urbanizados e as encanações hidráulicas chegavam às residências. De acordo com a senhora FRANCISCA MARIANO, “houve a época em que o banho de chuveiro era coisa de gente rica. O pobre enchia as caixas de água que faziam dentro dos banheiros e tomavam banho de cuité. Alguns faziam chuveiro de lata, mas com o passar do tempo até pobre tinha chuveiro bom”, finaliza a referida senhora.
No final da década de 1960 o hábito de se tomar banho na "Mata da Bica" – nos conformes originais – se extinguiu de uma vez. A estrutura de alvenaria foi sendo depredada aos poucos. Por ali permaneceram apenas jovens que iam muito aos finais de tarde e finais de semana. Quem nunca deixou o lugar foram as lavadeiras de roupa.  Sucessivas gerações cresceram sob aquelas árvores. O local, hoje, além de poluído, em quase nada lembra o passado guardado nas lembranças de alguns poucos que ainda restam para contá-lo.
Mas, independente desses famosos banhos, como era o cenário da "Bica" anteriormente? Qual era a sua vegetação? Como era a sua fauna? O que mais faziam os nativos por ali? É isso que iremos saber agora.
Como sabemos, nos séculos XVIII e XIX não existiam casas construídas tão próximas como hoje. Em meados de 1850, chegou a São José de Mipibu um senhor português por nome de PEDRO MOÍNHO, oriundo de Lisboa. Ele comprou uma grande propriedade, compreendendo toda a "Mata da Bica" e muitas terras no Sertão e Seridó. Sua família reside até hoje no local, exatamente às margens da BR 101.
Em 1905 o lusitano doou à Intendência de Mipibu a área onde se localizava a "Mata da Bica" para se transformar numa casa de Banho. Esse gesto nobre mostra a visão social desse europeu, pois mostrou desapego e priorizou ceder um bem que seria útil a todos. Após a sua morte, o filho JANUÁRIO MOÍNHO assumiu o comando das propriedades da família.
Em 1965 o prefeito da época, muito amigo do Sr. Januário, doou uma pequena data de terra bem próxima à "Bica" à Sr.ª FRANCISCA MARIANO DA SILVA (com 76 anos na data dessa entrevista). A partir dessa doação, outras pessoas foram se instalando no local e dando origem ao cenário atual. “Quem chegava, construía uma casinha de taipa ou palha e ficava. Foi assim que isso aqui tudo surgiu”, disse dona Francisca.
Em conversa com o Sr. JOAQUIM MANOEL DE SANTANA, 73 anos, ele disse: “Eu era rapaz. A gente pulava das ‘arves’ e d’um paredão que batia aqui” (o depoente coloca a mão um palmo acima da cintura para comparar a altura). “Aqui tinha ‘pé de pau’ da grossura de um pneu de trator. Havia uma gameleira bem ali (mostra o lado norte). Era uma marra de arvi”.
RAFAEL TERTULIANO DA PENHA, 74 anos, contou que nada se compara ao que restou. “Tanto a largura e a fundura e a força da água era outra. Uma coisa bonita que nunca mais volta. Parece que era até mais frio o lugar”.
FRANCISCA MARIANO, de 76 anos também narrou o seguinte: “Havia um pé de ingá bem grosso bem ali. Pense num pé de pau querido. Os meninos viviam ali chupando ingá. Eu era uma. Também tinha um pé de ‘goité’ grandão nesse canto. Era muito gostoso viver ali. Eu nem era gente nessa época, ia mais mãe. Ela botava roupa para quarar e a gente passava o dia ali, brincando. Num tinha perigo nenhum”.
“Durante uma reforma ocorrida no mercado público, há mais de 50 anos, cortaram muita mata da "Bica". Toda a madeira foi tirada daqui. Ninguém pensava em preservar, não. Eu acho que foi por isso que a água daqui baixou assim”, disse o Sr JOSÉ DIAS DA SILA (87 anos).
Dona Francisca contou que sua mãe, Iracema (in memorian) acordava bem cedo, arrumava a “bóia” (comida), preparava as trouxas de roupa dela e das pessoas para as quais prestava tal serviço e ia para a "Mata da Bica" com a filharada de lado. Passavam o dia por ali. Enquanto dona Iracema lavava roupa, a meninada brincava na água e nas árvores.



MELÃO SÃO CAETANO
Ela conta que sua mãe lavava roupa usando o “melão-São-Caetano” como se fosse sabão. Trata-se de uma espécie de bucha que, esfregada na roupa, produz espuma, facilitando a saída da sujeira do tecido. Todos usavam esse fruto para tal finalidade. Dona Francisca também costumava fazer fogo e deixar a roupa fervendo para “largar sujeira”.
Sua irmã mais velha preparava a comida ali mesmo. Quase sempre faziam liguento de peixe, “mas a gente também levava o ‘cumê’ pronto; também ia fruta, banana, manga... quando a coisa era boa se levava um pedacinho de carne. Mas era uma vez na vida, pois dava mais fato, cuscuz. O que levasse se comia. Era o dia inteiro que mãe passava com os pés dentro dágua” – diz dona Francisca.
A água que você bebe pode até ser tratada, mas sobre ela desce a podridão de incontáveis chiqueiros de porcos
Na década de 1970 a CAERN fez um poço no local. De acordo com a necessidade, eles ampliaram o serviço e automaticamente fizeram poços com maior vazão. Talvez isso explique a redução da lâmina de água do rio. De acordo com um funcionário da referida empresa é impulsionado 150.000 litros de água por hora para o reservatório (2008). Um detalhe curioso ocorreu no Sítio Morgado, de propriedade de Tamires Peixoto (in memorian). Havia ali um ‘olho d´água’ com uma vazão muito grande, mas secou entre 1999 e 2003. Muitos dizem que foi por causa o poço da CAERN.
Ao longo dessa pesquisa, ocorrida em dias alternados, entrevistando pessoas de várias idades, fui informado que em toda a extensão da "Mata da Bica" – que era muito ampla e fechada existia uma fauna diversificada. Convêm ressalvar que por "Mata da Bica" entenda-se a década de 1960 e uma extensão verde que se emendava com Nisia Floresta. 
Ali se via raposa, jacaré, guaxinim (semelhante a um cachorro), nico, macaco, tatu, bicho preguiça, preá, tijuaçu (azul e verde), tigibu (azul-escuro, branco e preto; gosta de sair no meio do dia e não sai na chuva), caranguejeira vermelha, caranguejeira preta, libélula, coral falsa, corre-campo, coral, cobra-cipó, salamantra, papa-ova, cobra-de-veado (extinta) era a maior de todas; buiúna, salamandra-boi, surucucu-traíra, jararaca-açu.


COBRA DE VEADO (NA REALIDADE É A JIBÓIA)
Obviamente que tais animais não estavam ali dispostos como se vivessem num zoológico. Seus nomes são evidenciados em conformidade com o que os nativos viam dentro de um contexto temporal. Ressalvando-se que alguns depoentes contam que seus pais e avós se alimentavam do que tiravam dali.
Entrevistei muitos adolescentes, caçadores de passarinhos, os quais me contaram que a "Mata da Bica" ainda tem em abundância a seguinte avifauna: azulão, pardal, chorró, cabo-de-colher (parecido com uma galinha), tiziu, daturama, guriatã, sanhaçu-pardo, papa-arroz, anomará, sanhaçu-azul, anu-preto, anu-branco, lavadeira, gatinho (parece com o ‘cabo de colher’, só difere o canto), golinha, sibiti, anomará, bigode, papa-capim, cancão, araquã (parece um jacu, mas é marrom com pintinhas pretas e menor).


SIRICÓIA

GALINHA D'ÁGUA
Ressalvo que anotei os nomes dos pássaros conforme ouvi dos nativos. Desconheço a maioria, portanto não sei se na realidade a mesma espécie é contemplada aqui com dois ou mais nomes. Esse mesmo raciocínio se aplica aos nomes da vegetação, os quais serão listados adiante. A distinção exata fica a cargo dos entendidos, embora julgo mais relevante a riqueza de nomes e suas simbologias. Observe que coloco entre parênteses uma breve observação sobre algumas espécies para facilitar a imaginação do leitor, acaso porventura se depare com alguma pelas imediações.
Os mesmos jovens também me disseram que a revoada que se seguirá abaixo está desaparecida ou quase totalmente desaparecida da referida mata, como por exemplo: jacu (parece um peru miúdo), vem-vem (cabeça preta e corpo branco), cabocolinho (marrom), bico-de-laica (parente do cabocolinho, mas sua cabeça e bico são vermelhos), sabiá-da-mata (alaranjado e marrom), sabiá-da-praia (banco e preto), sabiá-bico-de-osso (laranja com o bico branco), fura barreira (preto com o peito branco), xexéu (olho azul, bico amarelo e pena amarelo e preto), concriz, pinta-silva (peito verde e parte superior preta), pinta-gol (verde-claro com o bico amarelo), alma-de-gato (branco, comprido, com o rabo bem fino e bico branco), beija-flor-azul-e-cinza), tetéu, pica-pau (raríssimo) lambu, nambu, gavião (raramente é visto sobrevoando o local), siricóia (cinzenta com o canto agudo), galinha-d’água (pintadinha de branco e vermelho), galo-de-campina, canário, araponga, bem-te-vi, canário, cardeal, chopim, corrupião, corvo, cotovia, curió, graúna, japu, joão-de-barro, pardal, patativa, pega, rouxinol, sabiá, tangará, tico-tico, tiziu, tordo, uirapuru, viuvinha.

Uma das pocilgas locais - próximas às famosas bocas de fumo.
O fato de esses adolescentes informarem que não veem mais tais pássaros na "Mata da Bica" não significa que estejam extintos. Eles apenas desapareceram dali.  Se bem que um estudo desse tipo está mais na alçada do IDEMA. Quem sabe alguns realmente já entraram para a lista de extintos? Mas o fato de não se ver o que se via corriqueiramente denota o que sabemos muito bem. Sinaliza a depredação de modo geral, seja da mata, das águas e da própria fauna, inclusive protagonizada pelos próprios depoentes, pois basta “aparecer” um pássaro novo que já é alvejado. Se um tijuaçu desavisado sair da toca na hora errada vai para a panela logo em seguida.
De acordo com AUGUSTO RUSCHI (in memorian), um dos maiores ornitólogos brasileiros, que também estudava a fauna e flora, para que um animal viva tranquilamente, livre de stress, e se desenvolva e procrie com segurança, são necessários muitos metros quadrados de vegetação. A tendência é que cada vez eles se distanciem de onde se sentem ameaçados, sempre com propensão às regiões de reservas recuadas. Segundo o referido estudioso, muitos animais morrem pelo próprio stress. Como exemplo de tamanhos de áreas, vejamos esses casos: 10 km2 para a sobrevivência da raposa, cinco km2 para o jacaré, 50 km2 para o macaco.


SABIÁ DA MATA
ARAPONGA
Segundo os antigos moradores, a nascente da "Mata da Bica" está envolta pelas seguintes árvores: imbiridiba, cupiúba, amescla, caboatã, imbaúba (galamastro), ingá, algaroba, tamboril, golandim (é a árvore mais alta e uma das mais antigas da Mata), goiti, gameleira, dendezeiro, cumaru branco, jatobá.  Foi-me informado que há um morador das imediações que está reflorestando a sua propriedade com mudas nativas, obtidas ali mesmo. Infelizmente não o localizei nas diversas tentativas.
IMBÉ 
Sobre a mata rasteira, capins e parasitas, as espécies encontradas são: orelha-de-burro, jarrinha (rama), cipó-canela, pasta (espécie de aguapé, cuja flor se sustenta na lâmina da água), capim-de-planta (cinzento) serve para dor-de-barriga; Imbé (espécie com folhagens grandes e viçosas; suas folhas são brilhantes e lembram comigo-ninguém-pode; seu talo tem o diâmetro de um sabugo de milho que vai despontando uns pequenos tendões, os quais fazem as vezes de raízes que grudam nas árvores e vão subindo até chegar ao topo), canabrava (talos altos; dá uma flor de cores vermelha, rosa e branca), ingá (dá uma vagem com um frutinho doce, samambaias, aningas e pacaviras (muito poucas)). Na parte mais distanciada das águas se vê muita “salsa”, uma ramagem rasteira cujas folhas são quase iguais às folhas da batata-doce, embora não produza tubérculo.


O "Golandi", falado por dona Francisca é, na realidade é o guanandi ou jacareúba (Calophyllum brasiliense Cambess.) é uma árvore brasileira da família Clusiaceae(antiga Guttiferae).
Vale ressaltar que a presente pesquisa consiste num olhar tímido sobre esse grande tesouro mipibuense, chamado “Mata da Bica”. Com toda certeza, o leitor mais aprimorado poderá constatar a ausência de alguma espécie da fauna ou da flora que ele sabe ter existido ou ainda existir, e porventura foi omitido. Sobre isso, julgo providencial ressalvar que desconheço a maioria das espécies aqui mencionadas. O que fiz foi apenas andar pelo local e colher informações dos nativos, pois a nova geração precisa conhecer essas memórias.
Essa nascente não é a do Rio Mipibu - coloquei-a aqui para que as pessoas que não conhecem possam saber como é uma nascente ("olho d'água").
O que se percebe é que, na realidade, o homem é inconsequente. Ele vai degradando mesmo sofrendo graves consequências. A própria geografia colabora com a depredação da "Mata da Bica", mas isso só se tornou possível devido à retirada da mata ciliar. Antes a vegetação natural bloqueava lentamente a força da água que descia da parte alta de São José do Mipibu. Esse ‘freio natural’ evitava que se fosse dilapidado os plânctons e a microfauna. A própria natureza impedia o assoreamento do local. Desse modo, o húmus se assentava homogeneamente em toda a compleição da mata. 
Hoje é praticamente impossível essa harmonia natural. A construção da rodovia e ruas promoveram acidentes geográficos que tornaram anômalo o curso da água pluvial. A parte alta da cidade foi asfaltada. As calçadas e construções de alvenaria "plastificaram" o solo. Essa impermeabilização faz com que a cada chuva forte um ‘tsunami’ de água, lixo e dejetos desça como trem descarrilado. 
É óbvio que não se deve impedir o curso natural das águas pluviais, mas o problema está exatamente na depredação contínua da mata. Antes a vegetação era abundante e fazia o papel de um filtro natural. Outro detalhe muito comum em quase toda a São José do Mipibu é a existência de muitos cacimbões transformados em fossa. Esse fenômeno absurdo – que me foi contado por nativos – é responsável por danos inimagináveis.
Fazendo um sobrevoo pela "Mata da Bica", vê-se que ali está apenas um pequeno resquício de Mata Atlântica ilhado por potenciais depredadores. Parece mais um buquê envolto por pasto, casarios, chiqueiros e fossas. Há décadas ouvem-se as mais belas histórias de “políticas públicas” em prol de sua revitalização etc etc etc. Mas uma coisa é certa: o problema é grave e monumental.
É INACREDITÁVEL que em pleno século XXI, uma fonte riquíssima e ainda abundante de água permaneça depredada e usada como discurso. A "Mata da Bica" – hoje – se resume a meros Planos de Governos.
É INACREDITÁVEL e IMPERDOÁVEL que no Planeta que dá sinais claros de que num futuro próximo a água valerá mais que petróleo e ouro, se destruam um dos mais belos e importantes patrimônios naturais do Rio Grande do Norte. É muito egoísmo e desrespeito à nova geração.
Mexer nessa causa com seriedade pode parecer perigoso para quem não quer se opor a interesses diferentes. Mexer nesse assunto é ter que indenizar muitas famílias que terão que sair dali – não apenas da famosa Rua da Bica, mas de um raio muito superior.
Não é preciso ser especialista para saber que necessário despoluir toda aquela área, promover um mega-reflorestamento numa dimensão gigantesca, compreendendo também o aclive que adentra o território nisiaflorestense, boa parte do curso do Rio Mipibu e a construção uma estação de das águas servidas que escorrem para o referido rio (que também dilapida a Lagoa Papari, em Nísia Floresta). A área seria cercada por duas ou três décadas para se recuperar lentamente, recebendo contato humano apenas de técnicos, especialistas e trabalhadores no projeto. É um mega-trabalho que envolve muitos órgãos e um forte investimento na reeducação do povo, pois obviamente, no futuro, seria reaberta.
Se o homem tiver o poder de compreender que só um projeto desse porte poderá salvar a “Mata da Bica” – e colocá-lo em prática – com certeza estará devolvendo às gerações vindouras o maior tesouro de São José de Mipibu e evitando tragédias futuras.
Essa medida compreenderia até mesmo a ação de diferenciadas engenharias. Custaria muito dinheiro, mas, desde que pensada e planejada, daria certo. Se abraçada seriamente por algum “louco” e reaberta ao público futuramente, poderia-se dizer que realmente está-se pensando no futuro. Sem dúvida alguma, a causa da “Mata da Bica” significa hoje a mais importante pendência de São José do Mipibu.
Reflorestar, despoluir e construir políticas públicas em prol da "Mata da Bica" não significa meramente abraçar um projeto paisagístico, um parque ou algo assim, mas devolver todas as formas de vida originais a esse lugar sagrado. Apesar da imperdoável maldade humana, esse bem natural é uma fonte de vida por excelência, gratuitamente ofertada por Deus.
NATAL, 7 DE SETEMBRO DE 2015                                                                                


Nenhum comentário:

Postar um comentário