ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de crônicas, artigos, fotos poemas, etc. O autor ministra palestras e pode ser convidado através do e-mail: luiscarlosfreire.freire@yahoo.com.br. Fone: 99827.8517 - É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

NÍSIA FLORESTA E ADAUTO DA CÂMARA


NÍSIA FLORESTA E ADAUTO DA CÂMARA
Após quatro meses de interrupção das postagens estou trazendo mais uma contribuição à pesquisa pertinente a Nísia Floresta. Trata-se de um trabalho inédito, escrito faz um bom tempo, mas que somente agora estou presenteando o leitor.
Luis Carlos Freire
Não sei quem deu maior contribuição com a garimpagem que resultou no mais importante projeto escrito sobre Nísia Floresta até o ano de 1941, se o mossoroense Adauto Miranda Raposo da Câmara (1898-1952) ou o macaibense Henrique Castriciano de Souza (1874-1947). Mas se esses dois insignes personagens da história do Rio Grande do Norte, possuidores de vasta biografia, não tivessem realizado a relevante e inédita pesquisa, as lacunas seriam maiores que as atuais.
A contribuição desses intelectuais é tão valiosa que seria mais difícil entender Nísia Floresta sem conhecer o que eles escreveram, principalmente durante bom período da história, até surgir outros estudiosos. Ambos – verdadeiros patrimônios – deixaram uma história marcada por feitos plurais nas mais diversas áreas do conhecimento, e principalmente na educação.
Sócio-fundador da Academia Norte-riograndense de letras do Rio Grande do Norte, Adauto da Câmara exerceu cargos respeitáveis a convite de governadores que muito o respeitavam devido ao seu currículo de alto nível.
“Bacharel, professor, jornalista, deputado, acadêmico, historiador, genealogista, conferencista, ensaísta, prestou assinalados serviços ao seu estado, onde desempenhou cargos da alta confiança do governo, e para cuja Assembléia Legislativa foi eleito duas vezes” (PAIVA, 1959). Nos primeiros anos da década de 30 foi morar no Rio de Janeiro em conseqüência da revolução que grassava àquela época. Ali adquiriu o Colégio Metropolitano, no Meier– instituição falida à ocasião – e a transformou num dos mais respeitados colégios desse estado até a atualidade.
O interesse de Adauto da Câmara por Nísia Floresta parece ter iniciado cedo e, pelo que se sabe, durou toda a vida. O autor deste trabalho, em conversa com Zélia Mariz, em 1999, a qual publicou um pequeno livreto sobre Nísia Floresta, disse que Wânia Zaremba (esposa de Adauto) confidenciou-lhe que sentia-se “traída por Nísia Floresta”, pois seu marido se debruçava por horas à fio nos livros, pesquisando-a, e muitas vezes eles mal se falavam durante a semana.  Wânia dizia que “sentia ciúmes do marido com a defunta”.
Mas o futuro autor só complementou suas pesquisas quando Henrique Castriciano doou-lhe farto material pesquisado anos antes, inclusive teve experiências singulares a um pesquisador.
Henrique Castriciano correspondeu-se com algumas sobrinhas de Nísia Floresta e até mesmo com Augusto Américo de Faria Rocha (1833-1889), filho da escritora, os quais moravam no Rio de Janeiro.
O único brasileiro, e provavelmente o último a ter contato epistolar com Lívia Augusta Gade (1832-1912), filha de Nísia Floresta, durante o período em que a referida intelectual passava a ser objeto de curiosidade de muitos brasileiros, em especial os potiguares, foi Henrique Castriciano.
Por pouco ele teria estado com Lívia Augusta, pois em 1909 foi a Suiça conhecer a Ecole Ménagère, em Fraiburg, buscando inspiração para futuramente fundar em Natal a Escola Doméstica, fato ocorrido em 1914.
O contato epistolar entre ambos foi um divisor de águas, pois apesar da idade avançada de Lívia, foi possível a Henrique obter um calhamaço de informações preciosas, muitas desconhecidas até aquele momento. Certamente Lívia percebeu a seriedade do ilustre potiguar, pois presenteou-lhe com muitos retratos e fotografias, cuja maioria sairia do ineditismo em 1954, numa exposição comemorativa ao traslado dos seus despojos. (1) Esse acervo, raro, é um mistério, pois dele não há notícia, apesar de uma verdadeira garimpagem que tenho feito há 20 anos.
As cartas trocadas entre ele e diversos familiares de Nísia nunca foram divulgadas e sequer publicadas. Essa é uma página incompreensível da história, pois à ocasião em que chegaram às mãos castricianas já significavam um tesouro de valor incalculável. Outro enigma é o fato de o governo do Rio Grande do Norte ter tido a oportunidade de adquirir os bens pertencentes à Nísia Floresta em Cannes, e não o fez. Lívia faleceu em 1912, aos 82 anos.
À ocasião tanto Castriciano quanto Adauto, Elóy de Souza, Juvenal Lamartine, José Augusto Bezerra de Medeiros e outras pessoas renomadas e conhecedoras da importância de Nísia Floresta, que exerciam os mais altos cargos, parece terem ficado desmemoriadas nesse interim. Mas esse detalhe fica para outra circunstância.
Henrique Castriciano perscrutava bibliotecas, entrevistava pessoas e compilava acervo sobre Nísia Floresta, logo no início do século XX, outro norte-riograndense notável – Adauto Miranda Raposo da Câmara – repetiria o feito poucos anos depois, embora não se deslocou a Europa como fez seu conterrâneo.
Raimundo Soares de Brito opinou que “Nísia foi a paixão intelectual de Castriciano. Levou vários anos da sua vida pesquisando e estudando a personalidade da notável conterrânea com o objetivo de escrever um livro sobre suas atividades. Não o fez. Transferiu a tarefa e todo o acervo de pesquisador a Adauto da Câmara.” (1984, p.30).
Nota-se que a dificuldade de informações sobre Nísia Floresta era tão grande até aquele momento que Adauto da Câmara resolveu debruçar-se de forma abnegada numa minuciosa pesquisa, a qual resultou numa das maiores contribuições para a história do Rio Grande do Norte.
Mas parece-nos que o amigo não transferiu todo o acervo Adauto, pois logo após a morte de Henrique, Eloy Castriciano de Souza escreveu a Adauto “(...) Encontrei entre os papéis de Henrique muitas notas interessantes sobre Nísia Floresta além de publicações que me acompanharão destinadas ao seu arquivo. A mm seriam elas quase inúteis e nas suas mãos representam matéria para o bom trabalho”. (BRITO, 1981).
Seu livro, apesar de possuir algumas informações que foram desbancadas por documentos e livros de época que foram encontrados muito tempo depois pela escritora Constância Lima Duarte, está para a história das biografias como os clássicos estão para a literatura dado a representatividade que teve à ocasião do lançamento, e por ainda significar um marco, pela profundidade da pesquisa e pela qualidade das reflexões que o autor conduz o leitor. A análise feita por Adauto da Câmara atesta a sua erudição e permite ao leitor compreensão mais profunda acerca da escritora Nísia Floresta.
Numa carta datada do dia 8 de abril de 1931, de Natal, dirigida a Adauto da Câmara, no Rio de Janeiro, Eloy Castriciano de Souza, irmão de Henrique Castriciano, escreve “(...) Estamos esperando os seus livros sobre Nísia” (BRITO, 1981). É possível constatar que nesse período ele ensaiava publicar a história de Nísia Floresta, pois em 1940 a Federação da Academias de Letras do Brasil lançaria no Rio de Janeiro sua imensa conferência intitulada “Nísia Floresta”, que por pouco já consistia no livro “História de Nísia Floresta”, publicado no ano seguinte, no Rio de Janeiro.
N’outra carta, oriunda de São José de Mipibu/RN, datada de 18 de fevereiro de 1938, Henrique Castriciano escreve
“Meu caro Adauto – Meu afetuoso abraço. Indo ontem à Natal encontrei meu nº das Revistas das Academias com a Careta da nossa Nísia. Creio que vc. já terá recebido a cópia que lhe havia prometido. Se você obtiver outras cópias, quero dizer cópias de outros trabalhos dela, os publicar, creia que muito me penhorará se me m’as enviar” (ibidem, p. 170).

Em resposta, datada de 3 de julho de 1938, Henrique Castriciano diz:
“Prezado Adauto. – Só agora, chegando do interior, recebi por intermédio de Elóy o 3º artigo sobre a nossa grande Nísia. Os outros me chegaram às mãos em tempo e não acusei logo o recebimento aguardando o último.
(...) A respeito de Nísia Floresta, poetisa medíocre mas pensadora notável, a ninguém disse que estava escrevendo uma obra sobre ela. O que anunciei, desde muito, é que andava procurando achegas para esclarecimento de sua vida e neste sentido dei os passos que pude, infelizmente quase infrutíferas quanto ao essencial, que era saber a extensão de suas relações com as grandes figuras do tempo, quase todos da escola romântica.” (BRITO, 1981).

Alguns pesquisadores criticam Adauto da Câmara pelo fato de o mesmo ter entendido A lágrima de um Caeté como “uma obra medíocre, muito inferior às que a insigne escritora produziria depois” (CÂMARA, 1938 apud DUARTE 1995).
Certamente faltou a Adauto naquele momento o olhar perscrutador de Constância Lima Duarte, a qual leva o leitor a rever o indianismo brasileiro nessa obra espetacular, até porque o cenário indianista que Nísia descortina é singular diante dos conhecidos indianistas brasileiros. A propósito, como ocorre a muitos pesquisadores, Adauto teve a sua opinião lapidada posteriormente, pois tanto na conferência quanto no livro publicados mais tarde ele escreveu
“Seu poema não é em nada inferior às produções poéticas dos nossos primeiros românticos, desde Gonçalves de Magalhães e Porto Alegre, sem embargo de andar inteiramente alijada das antologias e compêndios de literatura, a começar de Fernandes Pinheiro, até Ronald de Carvalho e Manuel Bandeira, exceção apenas de Sacramento Blake, que lhe dedicou algumas linhas muito locônicas, com informações inexatas, e de Afrânio Peixoto” (CÂMARA, 1941).

Certamente Henrique Castriciano exerceu certa influência no pensamento de Adauto da Câmara, com relação ao poema, pelo menos até antes de 1940.
Mas a carta também evidencia um detalhe curioso, no qual Adauto indaga se o amigo estava escrevendo um livro sobre Nísia Floresta. Sabe-se que Adauto lançaria “História de Nísia Floresta” em 1941, ou seja, três anos após tal carta, e obviamente o livro encontrava-se quase no prelo. Supostamente Henrique tinha tal intenção, mas futuramente se perceberia a sua humildade e alto grau de generosidade intelectual, pois repassaria tudo – ou quase tudo o que compilou com grande dificuldade – a Adauto da Câmara.
Certamente a doença que o acometeu o desestimulou a continuar tal empreendimento que exige muito do pesquisador, e o fazendo doou parcialmente o restante a pessoas do gabarito de Adauto da Câmara, pois na exposição acima comentada, de 1954, seriam expostas fotografias de Nísia Floresta e de seus familiares.
E Adauto da Câmara sempre fez justiça ao grande presente recebido, pois na “Nota Prévia” do livro História de Nísia Floresta escreveu
“A Henrique Castriciano devemos valiosas informações, que generosamente nos ministrou. Podemos assegurar que o Brasil não esqueceu Nísia Floresta por obra e graça de Henrique, que tão fervorosamente lhe tem cultuado a memória, procurando tornar conhecidos, por toda a parte, os seus talentos. Aproveitamos o ensejo para lhe reiterar o apelo que tantos outros lhe tem feito, no sentido de publicar o seu livro sobre Nísia Floresta, para o qual reuniu copiosa documentação, colhida em mananciais que só ele explorou.” (CÂMARA, 1941).

No dia 25 de novembro de 1941, pouco depois de lançar o livro História de Nísia Floresta, no Rio de janeiro, Adauto Da Câmara recebeu de Henrique Castriciano, seu grande amigo, uma carta com o seguinte teor:
“Natal 25/9bro/1941. – Meu caro Adauto – Remeto-lhe pelo correio comum os Tres anos de Nísia, troféo que você de mim obteve pelo muito que vem trabalhando pela memória da grande batalhadora. Reli A vida de Nísia com imenso prazer; é sem sombra que se faça dúvida, um belíssimo livro e uma boa ação do meu caro Adauto.
Peço-lhe que não me desafie mais a que escreva sobre a ilustre patrícia: sinto-me no fim, cansado e doente, e já não é pouco ter ajudado a descobrir tão precioso veio de ouro.
Que ano triste foi este que vai acabar! Triste para mim, para outros terá sido de ouro e mal de nós todos se o mundo não fosse assim.
Desculpe a letra e o estilo: escrevo de mau jeito e amanheci gripado. Saudades. Muito afetuosamente, - Henrique Castriciano.
Peço-lhe que acuse, com alguma urgência, para minha tranqüilidade, esta lembrança de nossa patrícia”. (Ibidem, p.172).

Catorze dias depois, Castriciano lhe responde:
“Rio, 8 de dezembro de 1941 – Caríssimo dr. Henrique – Estava bem longe de saber que o dia de ontem me reservasse uma surpresa tão agradável. Encontrava-me tranquilamente em casa, pela manhã, lendo os jornais, quando o carteiro me trouxe a correspondência, em meio da qual um pacote de livros. Abri-o, fiquei quase sem acreditar no que via: dois autênticos volumes de Nísia, e que volumes! TOIS ANS em ITALIE, sua obra-prima! Sua carta, sua dedicatória encheram-me de emoção, de orgulho, de vaidade. A publicação de meu livro sobre NÍSIA FLORESTA foi bem acolhida pela imprensa, pelos círculos intelectuais. Mas nenhuma demonstração de estima pelo meu trabalho se compara com o que o eminente amigo vem de me dar. Esta foi a maior recompe nsa do meu longo e silencioso labor pela glória da insigne patrícia, partida justamente do grande animador de seu culto.
Telegrafei-lhe ontem mesmo, acusando o recebimento do seu delicado presente. Comuniquei-me com o dr. Eloi, que recebeu a notícia com grande alegria, solidário com o meu gesto.
Faço votos pela sua saúde. Espero que brevemente regresse ao Rio, inteiramente refeito da longa enfermidade que o tem afastado das lides intelectuais. Envio-lhe a mais cordial expressão de minha velha amizade e admiração. Abraça-o afetuosamente o – Adauto da Câmara.” (Ibidem).

No dia 2 de agosto de 1947, como conferencista, Adauto da Câmara, referindo-se a Henrique Castriciano, declarou que “Sua admiração pela educadora e escritora nascida em Papari exerceu decisiva sugestão, e, vencendo dificuldades sem conta, reuni material para uma breve biografia, editada em 1941, a História de Nísia Floresta” (CAMARA, 1959).
Estas e outras cartas permitem perceber os fortes laços de amizade entre dois intelectuais potiguares da mais alta estirpe e, mais ainda, a típica paixão intelectual que acomete todo pesquisador quanto ao objeto de pesquisa. Sem dúvida ambos eram fascinados pela história e pela obra de Nísia Floresta.
Em conferência Juvenal Lamartine* escreveu que “Foi, graças à monografia publicada por Adauto, a mais completa escrita até hoje, sobre a notável riograndense do norte, que um nobre conterrâneo, Orlando Dantas*, patrocinou a exumação dos restos mortais de Nízia, que, breve, virão repousar em nosso estado” (LAMARTINE, 1954).
Uma curiosidade significativa no “História de Nísia Floresta” é o fato de Adauto da Câmara informar o ano de 1909 como do nascimento de Nísia Floresta, ao invés de 1810, principalmente pelo fato de Henrique ter estado pessoalmente com Lívia Augusta. Certamente foi a pergunta que se calou.
Tendo falecido em 1952, aos 55 anos, Adauto da Câmara não pode presenciar um dos maiores acontecimentos ocorridos em seu estado em 1954, ocasião em que os restos mortais de Nísia Floresta, repatriados, foram recebidos primeiramente na Academia Pernambucana de Letras, em Recife, depois em Natal e em seguida na cidade natal da escritora, a qual naquele momento já havia recebido o seu nome*.
Antes disso, por solicitação de Paulo de Viveiros, da Academia Norte-Riograndense de Letras, numa ação intermediada por João Café Filho*, o senador Luis Lopes Varela apresentou ao Senado um projeto de lei que autorizava o governo brasileiro a trasladar os despojos de Nísia Floresta.
Deflagrada a lei, a missão foi atribuída ao Centro Norte-Riograndense do Rio de Janeiro, cujo seu presidente Marciano Freire viajou a França para providenciar o referido traslado. Em Natal e em Nísia Floresta houve a presença das forças armadas, do governo do estado, as principais instituições de ensino de Natal, o clero, sociedades culturais e um imenso cortejo popular.
Sabe-se que até hoje persistem muitas lacunas sobre a vida e a obra de Nísia Floresta, mas o “encontro” Henrique/Lívia, apesar dos pesares, representou um marco para elucidar muitas dúvidas e incorreções propaladas até então. A junção das pesquisas de Henrique e Adauto consiste num legado de excepcional valor para o Rio Grande do Norte vale a pena ser lido.
Referências
BRITO, Raimundo Soares de. UMA VIAGEM PELO ARQUIVO EPISTOLAR DE ADAUTO DA CÂMARA, Coleção Mossoroenese, vol. clxix, FJA ,1981.
CÂMARA, Adauto da. A lágrima de um Caeté. Revista das Academias de Letras. Rio de Janeiro. 1938.
______, Nísia Floresta. Federação das Academias de Letras. Rio de Janeiro. 1940.T
______, História de Nísia Floresta. Rio de Janeiro, Ed. Pongetty, 1941.
______, Henrique Castriciano. Conferência na Federação das Academias de Letras do Brasil. Revista da Academia Norte-Riograndense de Letras; ano VII/n. 5; Natal, 1959. p.15.
DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: Vida e Obra. Natal: Ufrn, Editora Universitária, 1995.
GOFF, Jacques Le. HISTÓRIA E MEMÓRIA. Trad. Bernardo Leitão [et AL] 3 ed. Campinas, SP. Ed. Unicamp, 1994.
LAMARTINE, Juvenal. Adauto da Câmara. Conferência; Coletânea de letras da Academia Norte-Riograndense, 2; Centro de Imprensa, S.A. 1954.
PAIVA, Cônego Jorge O’Grady de. Adauto da Câmara. Discurso de posse proferido na Federação das Academias de Letras do Brasil. Revista da Academia Norte-Riograndense de Letras; ano VII/n. 5; Natal, 1959.p.73.
NOTAS DE RODAPÉ:
- Orlando Dantas:
- Joaquim Pinto Brasil: nascido em 1819, faleceu em 1874
- Augusto Américo faleceu aos 60 anos.

5 comentários:

  1. Eu também pesquiso sobre Nísia Floresta e achei este Blog muito maravilhoso.

    O meu site sobre Nísia Floresta é sites.google.com/site/alagrmadeumcaete

    Eu sou o mestre Val Valença (Waldemar Valença Pereira)

    E viva a grandeza de Nísia Floresta, uma escritora poliglota.

    ResponderExcluir
  2. Errei o endereço.
    O certo...

    O certo é : sites.google.com/site/alagrimadeumcaete

    É o nome do poema todo junto.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns por este BLOG maravilhoso sobre Nísia Floresta...

    ResponderExcluir
  4. Que bom que a pesquisa lhe foi útil, professor Val Valença. Vou apreciar o vosso site. Um grande abraço!

    ResponderExcluir