ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de crônicas, artigos, fotos poemas, etc. É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

ANDAR EM NÍSIA FLORESTA É SE ANGUSTIAR


"Andar em Nísia Floresta é se angustiar". Não me refiro a você, que durante anos a fio faz apenas o trajeto de sua casa para o seu trabalho ou mal vai a São José de Mipibu ou às praias locais.
Uma senhora idosa – falecida há cinco anos – me dizia nunca ter visto o mar. Ela nasceu e morreu em Nísia Floresta e nunca viu uma das mais belas obras da natureza. Isso parece inacreditável, mas é fato; e quando eu digo isso, me refiro a você que não conhece Nísia Floresta na palma da mão, como é o meu caso, que já andei por diversas vezes em cada pedacinho de sua geografia. E é bom que você faça o mesmo e amplie o seu olhar.
Já ouvi alguns nisiaflorestenses dizerem que em Nísia Floresta tudo vai bem. Elas estão conformadas apenas com o aspecto visual do centro da cidade, que até engana por sua plástica "bonita". Para elas, ter um centro "bonito" está ótimo. Elas, de tão alienadas, parecem não se incomodar que um município não é apenas o seu núcleo, mas um todo.
E quando se sabe que nesse centro "bonito" não existe uma maternidade funcionando, não existe pronto-socorro acaso um menino pise num caco de vidro, não existe uma agência bancária, não existe sequer uma fábrica etc etc etc, você constata que o centro de Nísia Floresta, na realidade, é feio... e que você não sabe discernir diferença entre feio e bonito.
Como pode ser bonito um lugar sem emprego?
Eu me angustio quando vejo incontáveis pais de família sentados nos batentes de suas casas ao lado de uma garrafa de Pitu, observados pelos filhos (muitos deles engatinhando), os quais crescem vendo a miséria e finalizam propagando-a para as novas gerações.
Nísia Floresta tem, sim, fábricas, mas fábricas de miseráveis produzindo miseráveis. Miséria gera miséria na mesma proporção que dinheiro gera dinheiro. E como o povo tem dinheiro?
Trabalhando.
E trabalhando aonde?
Em lugar algum.
Resultado: miséria gera miséria. É esse o cenário de Nísia Floresta.
Você conhece "OS INOCENTES"? É um aglomerado de barracos feitos de lixo no distrito de Pium. É de se chorar de piedade.
Desse mesmo jeito existe um aglomerado de casinholas mal feitas localizadas em Pirangi, às margens de uma estrada de barro, cuja droga e o tráfico correm soltos. É uma espécie de favela. Miséria pura.
Em Jenipapeiro, Currais e Golandi muitos passam fome e vivem ilhados, sem saber o que se passa no próprio município e tampouco no Brasil. Televisão e celular são objetos de luxo. Também são lugares pautados por droga. As moças e rapazes fazem filhos mal saindo das fraldas. É miséria pura.
Talvez você pense que eu quero consertar o mundo ou acha que quero consertar tudo isso como num passe de mágica.
Mais ou menos.
Eu quero uma administração que faça a diferença. Que priorize os pobres, que são maioria. Eu quero uma administração que tenha sensibilidade com as diversas misérias de Nísia Floresta. Uma administração que se desdobre para encher o município de fábricas, de cooperativas; que ajude o agricultor a reconquistar aquele passado de fartura, que valorize os pecuaristas de baixa renda, que gere emprego e renda através do turismo, enfim que faça coisas simples e que nunca foram feitas. É esse o passe de mágica!

Entendeu agora porque eu digo que "andar em Nísia Floresta é se angustiar"?

Nenhum comentário:

Postar um comentário