ANTES DE LER É BOM SABER...

Este blog - criado em 2008 - não é jornalístico, embora contenha alguns conteúdos que navegam levemente nessas águas. Os textos são de autoria de Luís Carlos Freire, o qual descende do mesmo tronco genealógico da escritora Nísia Floresta. Esse parentesco ocorre pela parte das raízes da mãe do autor deste blog, Maria José Gomes Peixoto Freire, neta de Maria Clara de Magalhães Fontoura, trineta de Maria Jucunda de Magalhães Fontoura, descendente do Capitão-Mor Bento Freire do Revoredo e Mônica da Rocha Bezerra, dos quais descende a mãe de Nísia Floresta, Antonia Clara Freire. Essas informações são encontradas no livro "Os Troncos de Goianinha", de autoria de Ormuz Barbalho Simonetti, um dos maiores genealogistas brasileiros. O referido livro pode ser pesquisado no Museu Nísia Floresta, no centro da cidade. Luís Carlos Freire é especialista na obra de Nísia Floresta, membro da Comissão Norte-Riograndense de Folclore, sócio da Sociedade Científica de Estudos da Arte e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Possui trabalhos científicos sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicados nos anais da SBPC, Semana de Humanidade, Congressos etc. É autor de 'História do Município de Nísia Floresta', 'Cultura Popular em Nísia Floresta', 'A linguagem Popular em Nísia Floresta', dentre inúmeros trabalhos na área de história, lendas, costumes, tradições etc. Uma pequena parte das referidas obras ainda não estão concluídas, mas o autor entendeu ser útil disponibilizá-la neste blog, enquanto as conclui. Algumas são inéditas. O acesso permite aos interessados terem ao menos uma boa noção daquilo que buscam, até porque existem situações em que certos assuntos não são encontrados nem na internet nem em outro lugar. Algumas pesquisas são fruto de longos estudos, alguns até extensos e aprofundados, pesquisados em arquivos de Natal, Recife, Salvador e na Biblioteca Nacional no RJ. O autor estuda a história e a cultura popular da Região Metropolitana do Natal. Esse detalhe permitirá ao leitor encontrar informações históricas sobre a intelectual Nísia Floresta Brasileira Augusta, sobre o município homônimo, situado na Região Metropolitana de Natal/RN, além de crônicas, artigos, fotos poemas, etc. É PERMITIDO COPIAR TEXTOS DESTE BLOG, DESDE QUE A AUTORIA SEJA MENCIONADA. OBS. Só publico comentários que contenham nome completo, e-mail e telefone, pois repudio anonimato.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

ROTEIRO TECNICO
NÍSIA FLORESTA - T. QUARESMA



SEQ 01. Exterior/dia/plano geral/fixo - Fachada de uma escola de nível secundário. Alunos e alunas entram na escola. Som característico.

VOZ EM OFF – A primeira sensação que tive quando entrei em contato com a vida e a obra de Nísia Floresta foi de espanto. Senti um estranho desconforto por nunca ter ouvido falar no seu nome e este é um dos motivos pelo qual decidi fazer este trabalho.

Mulher (personagem Diretora de teatro) entra em quadro e segue em direção ao portão de entrada da escola.

SEQ 02. Interior/dia/câmera-na-mão/subjetiva da personagem – Dentro da escola

Câmera (Diretora de teatro) dentro da escola andando entre os alunos e alunas que chegam para a aula.

VOZ EM OFF – Não demorou muito, descobri que esse não era um problema só meu. Na verdade, pouquíssimas pessoas conheciam ou ouviram falar de Nísia Floresta.

Int/dia/plano geral/panorâmica – Corredor da escola

Diretora caminhando em um corredor; para diante de uma porta, bate.

VOZ EM OFF – Foi então que, como mulher e brasileira, decidi dar a minha contribuição para que esta extraordinária figura humana...

Int/dia/plano médio/fixo – Corredor/sala de aula
Diretora de teatro abrindo a porta

...seja conhecida por um número cada vez maior de pessoas e a sua obra aceita, integrada à galeria dos grandes personagens da história brasileira.

SEQ 03 – Int/dia/ plano geral/fixo - Sala de aula (cheia de alunos e alunas). Professora olha para a porta que se abre.

Int/dia/plano americano/fixo - Sala de aula
Diretora de teatro aparece na porta entreaberta.

Int/dia/plano médio/fixo - Sala de aula
Professora faz sinal para que Diretora entre

Int/dia/plano geral/fixo - Sala de aula
Diretora de teatro entra na sala de aula pedindo licença e cumprimentando Professora.

VOZ EM OFF – Eu sei que não será uma tarefa fácil dar a Nísia Floresta o seu merecido lugar na história da cultura brasileira mas é isto que estou me propondo fazer.

Int/dia/plano médio/ fixo – Sala de aula
A professora dirige-se às alunas.

PROFESSORA – Aqui! Por favor, prestem atenção! Antes da aula, eu quero apresentar a Fulana que tem um assunto muito importante pra falar pra vocês.

Int/dia/plano médio/fixo - Sala de aula

Diretora olhando por (alguns segundos) para os alunos e alunas antes de começar a falar.

Int/dia/primeiros planos/fixos - Sala de aula

Vários planos de alunos e alunas se aquietando para ouvir a Diretora.

Int/dia/primeiro plano/fixo - Sala de aula

DIRETORA - Bom dia para todos e todas! Eu sou atriz e diretora de teatro. Alguém aqui tem vontade de trabalhar em teatro? ( algazarra!) Então! Estou aqui para encontrar jovens que queiram fazer uma peça de teatro sobre uma grande mulher, uma brasileira de muitas qualidades; ela quebrou padrões da sua época, desafiou preconceitos e viveu intensamente uma vida criativa muito adiante do seu tempo. Os rapazes que me desculpem, mas os papéis disponíveis são para as meninas.(vaias dos rapazes, com risos e aplausos das meninas). Aquelas que estiverem interessadas em participar,levantem a mão.

Int/dia/primeiros planos/fixos/música
Vários primeiros planos de alunos e alunas. Umas levantando a mão timidamente, outras entusiasticamente, outras cobrindo o rosto de vergonha, outras sorrindo, outras desconfiadas, etc. (fusão)

SEQ 04 – Int/dia/primeiros planos/fixos/música – Salas de aula
Imagens de outras alunas em outras escolas de diferentes classes sociais, dentro das salas, na mesma situação da seqüência anterior.

SEQ 05 - Int/dia/plano médio/fixos/música – Salas de aula
Vários planos intercalados da diretora em várias outras salas de aula numa situação semelhante a da seqüência 03 e em dias diferentes. Ela está falando sobre Nísia, mas na montagem, fala apenas as frases soltas.

DIRETORA – Uma mulher diferente das outras do seu tempo.
Grande escritora
A primeira a lutar pelos direitos da mulher
Educadora dedicada
Um exemplo de insubmissão aos preconceitos de sua época
Abolicionista
Figura humana extraordinária
Esquecida

Int/dia/plano médio/fixo – Nova sala de aula

DIRETORA – Esta mulher que vocês ainda vão conhecer melhor chama-se Dionísia Gonçalves Pinto, ou Nísia Brasileira Floresta Augusta. Fade in.

TELA ESCURA – TÍTULO DO FILME E ALGUNS CRÉDITOS

SEQ 06 - Interior/dia/plano geral/panorâmica – teatro
Meninas adolescentes estão entrando e se acomodando nas cadeiras da platéia, outras já estão sentadas (algumas já são conhecidas das seqüências anteriores nas escolas).

SEQ 07 – Interior/dia/primeiro plano/travelling rotativo – teatro - coxia.
Diretora está nos bastidores do teatro com o livro “Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens” nas mãos.

VOZ EM OFF DA DIRETORA – Depois da surpres a de não saber quem foi Nísia Floresta e constatar que pouquíssimas pessoas a conheciam, fui possuída por um enorme desejo de saber cada vez mais da sua estória.

Diretora continua lendo e caminhando da coxia em direção ao palco onde está o professor Luis Carlos e a escritora Constância, ambos sentados em torno de uma mesa repleta de livros.

VOZ EM OFF DIRETORA – À proporção que fui lendo os seus livros fui reconhecendo o vigor da sua prosa literária, admirando a sua coragem, o poder revolucionário das suas idéias muito acima do seu temp. Aos poucos fui me deixando contaminar pela vontade de fazer justiça à sua memória e ao seu valor. Eu queria mostrar para todo mundo quem foi Nísia Floresta!

Interior/dia/plano geral/panorâmica – teatro - platéia
As últimas meninas adolescentes se acomodam na platéia. Percebe-se nitidamente que estão ansiosas.

SEQ 08 - Interior/dia/plano médio/ panorâmica - palco
Diretora está no palco diante delas.

DIRETORA – Obrigada todas por terem vindo. Vocês foram as pré-selecionadas para nos ajudar a contar a estória de Nísia Floresta. Primeiro quero apresentar a nossa equipe: o professor Luis Carlos que é o nosso pesquisador.

Interior/dia/plano médio/ fixo – palco
Luis Carlos cumprimenta a câmera acenando com o corpo e a mão (tipo professor gente boa).

Interior/dia/primeiro plano/ fixo – palco
Diretora aponta para Constância

DIRETORA - ... e a nossa consultora Constância Lima Duarte; escritora, biógrafa e também grande conhecedora da obra da nossa personagem Nísia Floresta. Ela escreveu, além de livros e artigos sobre Nísia, o folheto informativo que vocês receberam.

Interior/dia/plano médio/ fixo – palco
Constância cumprimenta a câmera discretamente.

Interior/dia/plano detalhe/fixo
Adolescente sentada na platéia escuta atentamente. Na sua mão está o folheto cuja capa tem a fotografia de Nísia Floresta.

Interior/dia/plano médio/ panorâmica - palco
Diretora continua

DIRETORA – Mas antes de começar o nosso teste, o professor Luis Carlos vai falar um pouco da época em que Nísia viveu.

Interior/dia/primeiro plano/travelling – platéia
Rostos apreensivos das adolescentes.

Interior/dia/plano geral/ fixo – platéia e palco
A Diretora se dirige à mesa enquanto o professor se levanta em direção ao centro do palco.

Interior/dia/plano americano/ panorâmica - palco
O professor chega ao centro do palco.

PROFESSOR: Bem, eu vou falar apenas o necessário para que vocês tenham uma noção da época, da vida, do ambiente em que viveu Nísia Floresta e aí então vocês vão poder enxergar melhor a dimensão da sua vida e da sua obra. (vou pedir aqui o auxílio do nosso projecionista que irá nos mostrar algumas imagens).

Interior/dia/plano detalhe/ fixo - palco
Lente de um projetor acendendo. (fusão)

Interior/dia/primeiro plano/ fixo - palco
Enorme fotografia de Nísia aparece em um telão no fundo do palco. Imagens projetadas no telão vão ilustrar as palavras do professor.

Interior/dia/plano médio/ panorâmica - palco
Professor fala para a platéia sobre usos e costumes da época; o contexto histórico e o ambiente em que Nísia viveu.

Interior/dia/primeiro plano e planos detalhe/ fixos e panorâmicas - platéia
Rostos das jovens, da diretora, de Constância, iluminados apenas pelo “reflexo do telão”. Elas assistem interessadas.

SEQ 09 - Interior/dia/primeiro plano/fixo - palco
Diretora se dirige às jovens.

DIRETORA – Vocês já devem ter lido o folheto informativo preparado pela Constância. Agora ela vai falar pra vocês um pouco sobre a vida e a obra de Nísia.

SEQ 10 - Interior/dia/ plano americano/fixo palco
Constância levanta-se e dirige-se às jovens. Em tom coloquial fala um pouco da biografia de Nísia, criando uma intimidade, uma cumplicidade e forte interesse das jovens.

SEQ 11 – Interior/dia/plano americano/fixo - palco
Diretora de dirige às jovens.

DIRETORA -- Agora, vocês vêm para cá e vamos começar o nosso teste.

Interior/dia/plano americano/panorâmica
Muito nervosas, as meninas levantam-se e sobem no palco, enquanto o professor, Constância e a Diretora vão para a platéia.

SEQ 12 – Interior/dia/primeiro plano/fixo – fade out
Num mesmo enquadramento igual para todos, surgem as meninas adolescentes respondendo para a câmera as mesmas perguntas:
Quem foi Nísia Floresta?
O que você achou de mais admirável na vida dela?
Porque acha que ela foi esquecida?
(att: somente serão editadas as respostas. Também serão editadas as não respondidas, afinal o que importa é a forma de expressão das adolescentes diante do primeiro contato com a vida de Nísia). Fade in

Interior/dia/plano detalhe/fixo – fade out –platéia
Olhos da diretora observando as jovens e comentando com Constância (este plano começa a aparecer no final da seqüência anterior entre uma e outra imagem de jovem adolescente).

VOZ EM OFF DA DIRETORA – O meu arrebatamento pela obra de Nísia Floresta havia sido fulminante mas eu tinha muitas dúvidas que queria esclarecer. A pesquisa me dava um bom suporte, mas eu precisava mergulhar ainda mais na sua vida. Eu queria saber como uma mulher nordestina, naquela época, quase duzentos anos trás, nascida e criada numa cidadezinha do interior do Rio Grande do Norte, pôde chegar aonde chegou! Fazer o que fez! Escrever daquela maneira!

Interior/dia/plano geral/fixo - platéia
A Diretora se levanta, volta ao palco e se dirige às meninas.

DIRETORA – OK Meninas! Muito bom ... Agora eu vou mostrar pra vocês a cidadezinha onde Nísia nasceu. Eu fui lá tentar descobrir mais coisas da sua vida.Olhem o que encontrei...(diretora faz sinal para projecionista que começa a mostrar cenas da cidade de Nísia Floresta no telão).

Interior/dia/plano detalhe/fixo - Teatro - platéia
Jovens, sentadas no chão, no canto do palco, assistem, interessadas.

SEQ 13 – Exterior/dia/plano geral/fixo – Cidade Nísia Floresta
Seqüência de planos fixos da cidade. Estação de trem. Placa da estação de trem com o nome antigo da cidade de Papary (imagens com visual antigo em PB como se fossem vistas através de uma janela de trem). Ruído de trem ao fundo. Os trilhos do trem. Detalhes da arquitetura da estação. Música.

Interior/dia/primeiro plano /fixo – Cidade Nísia Floresta
Mulheres fazendo renda, fazendo doce, o quotidiano das mulheres da cidade. Imagens que tinham tom antigo em PB, agora viram atuais.

Exterior/dia/plano geral/fixo – Cidade Nísia Floresta
Placa indicando Nísia Floresta.

VOZ EM OFF DA DIRETORA – Como nasceu nesta mulher a coragem para contestar os padrões vigentes, desafiar os homens e a sociedade com a força das suas idéias e o poder das suas palavras?

Exterior/dia/primeiro plano/fixo – Cidade Nísia Floresta
Fachada da Escola Nísia Floresta, estabelecimentos comerciais, prefeitura, delegacia, imagens da cidade e de seus habitantes, sempre em planos fixos.

Seqüência de curtos depoimentos dos habitantes da cidade sobre quem foi Nísia Floresta.

SEQ 14 – Interior/dia/primeiro plano/fixo - palco
A Diretora está diante das meninas

DIRETORA – Pois é: fiquei estarrecida com tudo que vi e ouvi na cidade. Senti muita tristeza e revolta com o esquecimento e o silêncio que lhe condenaram. Mas teve algo que me chamou a atenção: uma mulher muito velhinha me falou que havia presenciado a chegada dos seus restos mortais e que havia uma testemunha muito mais antiga que tinha presenciado muitas histórias. Vejam...

SEQ 15 –Imagens de arquivo
Cenas da chegada dos restos mortais de Nísia Floresta (a serem fornecidas pelo professor Luis Carlos). No final da seqüência fusão.

SEQ 16 - Exterior/dia/primeiro plano/fixo – Cidade Nísia Floresta
Plano geral do Baobá no centro da cidade (música).

SEQ 17 - Interior/dia/primeiro plano/fixo - palco
A Diretora está mais uma vez diante das meninas que assistem o Baobá projetado no telão. De repente acabam as imagens, acendem-se as luzes.
DIRETORA – Pois é meninas. Diante daquela árvore silenciosa que viu e ouviu tantas coisas que aconteceu na cidade, na vida de Nísia e que guarda em silêncio tantos segredos, decidi que Nísia deveria falar. Mas antes disso a professora Constância vai contar pra vocês um pouco desse silêncio ao qual a nossa personagem ficou confinada.

Surge letreiro: Nísia, A Escritora. Fade out

SEQ 18 – Interior/dia/plano médio/fixo - platéia
Sentada na platéia, Constância fala para as jovens sobre o valor literário e a importância da obra de Nísia Floresta como Escritora.
Sugestão da fala.

CONSTÂNCIA - Nísia foi, com certeza, uma das primeiras mulheres no Brasil a romper os limites do espaço privado e a publicar textos na grande imprensa, pois, desde 1830, seu nome aparece em periódicos nacionais. Se lembrarmos que, apenas em 1816, a imprensa chegou ao país, mais se destaca o papel pioneiro que esta brasileira desempenhou no cenário nacional.

Interior/dia/primeiro plano/panorâmica – Teatro - fundo escuro
Cobertura de parte da fala de Constância. Alguns livros e publicações de Nísia e reprodução de jornais da época com artigos de Nísia espalhados sobre uma mesa.
CONSTÂNCIA - Ao todo, foram quinze livros – dentre romances, contos, poemas e ensaios – escritos em português, francês, italiano e inglês, alguns, inclusive, com mais de uma edição. E, o mais interessante, os textos parecem dialogar entre si como se fossem peças complementares de um mesmo plano de ação, qual seja, formar e modificar consciências.

Interior/dia/primeiro plano/panorâmica – Teatro - fundo escuro
Cobertura de parte da fala de Constância.

CONSTÂNCIA – (continuação) Em qualquer um deles é possível observar a hábil fusão que ela realiza entre o biográfico e o ficcional. E, por vezes, o componente autobiográfico é tão evidente que a gente se pergunta onde começa a ficção e onde se acha a realidade, pois vida e obra apresentam uma estreita relação de semelhança e dependência. A conseqüência, como não podia deixar de ser, é o embaralhamento entre real e imaginário, cujas linhas limítrofes são por vezes tão tênues, que confundem ainda hoje os leitores. Fade in.


SEQ 19 - Interior/dia/primeiro plano/panorâmica - platéia
Diretora dirige-se às jovens no palco:

DIRETORA: Já conhecemos um pouco da vida de Nísia e da época em que viveu. Agora, vamos saber de vocês...

SEQ 20 – Interior/dia/primeiro plano – palco
Cada jovem da sua interpretação pessoal do que apreendeu até agora sobre a personagem Nísia Floresta e um testemunho de como se sente diante de tudo que ouviu. Fade in.

SEQ 21 – Interior/dia/ primeiro plano/fixo – teatro – palco
Menina 01 fala para a câmera

MENINA 01 – Tenho 17 anos e me chamo fulana.
(esta jovem, como é uma selecionada, vai falar - agora com certa segurança - o que acha e sente do pouco que sabe da vida e obra de Nísia)

SEQ 22 - Interior/dia/ primeiro plano/fixo – teatro – palco
Uma enorme reprodução fotográfica de Nísia está sendo erguida no fundo do palco.

Interior/dia/plano geral/fixo – teatro – platéia
Da platéia, através de gestos, a diretora orienta o posicionamento da fotografia a dois contra-regras.

DIRETORA – Ok! Nessa altura está bom! Pode fixar aí mesmo! Então, pessoal! Vamos dar vida a nossa personagem? A voz eu já imaginei como será, agora falta vislumbrar a sua imagem. Por isso já estou cuidando de um cenário onde ela possa aparecer. Quem quer dar idéias?Mas antes disso vamos saber um pouco mais de Nísia, sua vida, família, amores, viagens....

SEQ 23 - Interior/dia/ primeiro plano/fixo – teatro – palco
Constância fala para as meninas selecionadas na platéia um pouco mais da biografia de Nísia. Imagens de época ilustram a sua fala.
Constância vai procurar interagir com as jovens para fazer com que elas percebam a atualidade das questões levantadas e defendidas por Nísia e o quanto elas estão envolvidas nessas mesmas questões. Sugestão da fala.

CONSTÂNCIA – Pois bem, continuando, vamos saber um pouco mais sobre a vida da nossa personagem. Em novembro de 1832, Manuel Augusto conclui o bacharelado em Direito e transfere-se com Nísia, a filha Lívia, a mãe e as irmãs de Nísia, Clara e Izabel, para Porto Alegre (RS). Em 1833, em 12 de janeiro, no mesmo dia em que sua filha Lívia havia nascido três anos antes, nasce seu outro filho que recebe o nome de Augusto Américo de Faria Rocha.
No ano seguinte, 1833,...

SEQ 24 - Exterior/dia/ primeiro plano/fixo – casa de Menina 01
Menina 01 na porta de sua casa. Letreiro: fulana.
MENINA 01 - Moro aqui com a minha família nessa casa...

Interior/dia/plano americano/câmera-na- mão - casa de Menina 01
Menina dentro de casa, mostra os cômodos, fala da sua família, como é a sua vida quotidiana, seus sonhos e planos para o futuro.

Interior/dia/primeiro plano/fixo - casa de Menina 01
Curto depoimento de cada membro da família (a idéia é mostrar documentalmente, de maneira insofismável, como as questões pelas quais Nísia lutou toda a sua vida, de certa forma, ainda prevalecem nos dias de hoje).

Seqüência documental. Recorte da vida quotidiana das meninas selecionadas.
Fade in

SEQ 25 – Interior/dia/plano médio/fixo – palco – (fade out)
Constância fala para a câmera. Fade out: Letreiro: Feminista e Educadora

Sugestão da fala:
CONTÂNCIA - Quando pensamos na história da luta feminina por seus direitos no Brasil, vários são os nomes de mulheres que nos ocorrem. Mas se tentamos alcançar as primeiras páginas dessa história, um nome se destaca e se impõe: o de Nísia Floresta Brasileira Augusta. A ele devemos as primeiras e mais importantes páginas dessa luta, pela coragem revelada em seus escritos e pelo ineditismo e ousadia de suas idéias.
Enquanto a grande maioria das mulheres brasileiras vivia recolhida em casa sem nenhum direito...

SEQ 26 - Exterior/dia/ primeiro plano/fixo – casa de Menina 02
Menina 02 na sua casa. Letreiro: fulana.

MENINA 02 - Esta é a minha casa...
A ênfase da fala aqui será dada à sua educação, como é a sua escola, o padrão de ensino. De onde talvez se possa concluir que Nísia sempre teve razão ao insistir na educação.

Sequência documental semelhante à SEQ 16.
Aqui se quer saber qual o grau de conhecimento que os pais têm da educação da filha. Qual a importância que dão para isso.

SEQ 27 – Interior/dia/plano geral/panorâmica - antiquário
Imagens de objetos antigos expostos em um antiquário. (possibilidade de utilização do material do professor Luiz Carlos). Música.

Interior/dia/primeiro plano/travelling - antiquário
A câmera passeia lentamente mostrando utensílios domésticos do século XIX.
Num canto da loja um espelho, uma escarradeira, um porta retrato, uma escrivaninha.

Interior/dia/ plano detalhe/fixo
Diretora fala para as jovens.

DIRETORA – Quem seria capaz de me dizer quais objetos seriam os mais significativos para a composição de um cenário para Nísia?

Interior/dia/primeiro plano/fixo
Jovens entreolham-se pensando na vida da Nísia. Uma delas se apresenta falando:

JOVEM 01 – Como ela escrevia, acho que alguma mesa de escritório deveria ser muito importante na vida dela.

DIRETORA – Uma escrivaninha antiga. Seria isso?

JOVEM 02 – Mas pela sua aparência, acho que era vaidosa. Talvez um espelho!

JOVEM 03 – Um monte de canetas na escrivaninha!

SEQ 28 - Interior/dia/ primeiro plano/fixo – teatro – palco
O professor fala para as meninas selecionadas na platéia. Ele explica que na época de Nísia não existia canetas. Explica como se escrevia, como era raro e caro o papel, assim como os livros; fala da imprensa, dos costumes, das publicações. Das mulheres sequer aprendiam a ler e eram raríssimas as que escreviam. Fala dos artigos de jornal que Nísia escrevia com freqüência. Imagens de época ilustram a fala do professor.

SEQ 29 - Interior/dia/plano geral/fixo – teatro
Dois contra-regras cruzam o palco carregando uma escrivania antiga e a colocam cuidadosamente num canto do palco.

SEQ 30 - Exterior/dia/ primeiro plano/fixo – casa de Menina 03
Menina 03 na porta de sua casa. Letreiro: fulana.
MENINA 03 - Moro com meus pais, esta é a minha casa... (.menina mostra local onde estuda, sua escrivaninha. Fala se gosta de escrever. Sobre o que gosta de escrever...)

Sequência documental semelhante à SEQ 16.

SEQ 31 - Interior/dia/plano americano/fixo – teatro
Constância fala da vida de Nísia na Europa. Contexto, fatos importantes e pontuais que transmitam a dimensão da sua personalidade.
Sugestão
CONSTÂNCIA - 1849 - Em 24 de dezembro Nísia Floresta desembarca no conturbado clima parisiense para fixar residência na cidade...

SEQ 32 - Exterior/dia/ primeiro plano/fixo – casa de Menina 04
Menina 04 na sua casa. Letreiro: fulana.

MENINA 04 - Moro com meus pais,esta é a minha casa...
Câmera mostrar um armário com roupas da menina e outros objetos que possam ser comparados com os da época de Nísia.

Sequência documental semelhante à SEQ 16

SEQ 33 - Interior/dia/plano geral/panorâmica – brechó (ou teatro) música
Câmera passeia por entre cartolas, botas, espartilhos, mantas, fraques e chapéus antigos até onde está um manequim sem cabeça trajando um “vestido escuro de época” (o mesmo que aparece nas fotos de Nísia). Fusão..

Interior/dia/ plano detalhe/fixo - música
Olhos da Diretora. Música - Fusão.

Interior/noite/plano médio/fixo/efeito na imagem tratada em PB - música
Silhueta de uma mulher de perfil (atriz com a aparência física de Nísia Floresta; cachinhos no cabelo, “vestido escuro de época”, e outras características). Fade in

SEQ 34 - Interior/dia/ plano médio/fixo
Constância fala para a câmera. Fade out: Letreiro: Indianista, Abolicionista e Nacionalista
Sugestão da fala:
Entre os diversos livros que Nísia Floresta escreveu, um se destaca por se inserir de forma especial no contexto romântico indianista. Trata-se do poema A lágrima de um Caeté, publicado em 1849, sob o pseudônimo de Telesila, com 712 versos, que contém traços inconfundíveis da estética romântica, como a lusofobia, o elogio da natureza e a exaltação de valores indígenas...
O sentimento nacionalista da autora está presente também em outros textos, através de referências a paisagens, ou de exaltação das belezas naturais, das riquezas, e dos heróis nacionais.

(imagens ligadas ao que Constância fala, serão usadas como planos de cobertura)

SEQ 35 - Interior/noite/plano geral/fixo – teatro
As quatro meninas finalistas entram no palco do teatro maquiadas e compenetradas (estão nervosas e o clima é de ensaio geral). Constância e o professor também estão no palco com roupas diferentes. O professor dirige-se às jovens.

PROFESSOR – Antes de começar a leitura, vamos fazer uma revisão do que conseguimos até aqui.

Interior/noite/plano geral/fixo
Cada uma das jovens se dirige ao seu lugar marcado sob um facho de luz.
O professor Luis Carlos e Constância se aproximam.

Interior/noite/primeiro plano /fixo
O professor Luis Carlos e Constância não vêm a Diretora. Olham-se como se aguardasse alguma coisa.

Interior/noite/plano geral/fixo
(Música). De repente a cortina se abre e, no fundo escuro do palco, aparece à meia luz, um cenário muito simples: um espelho, um abajur sobre uma mesa, uma cadeira de balanço, alguns objetos antigos, uma escrivaninha e uma cadeira.

Interior/noite/plano americano/fixo
Sentada nesta cadeira, debruçada sobre a escrivaninha uma mulher na penumbra, Nísia Floresta escreve. (música).

Interior/noite/plano geral
A luz de base é acesa. A Diretora, Constância, o professor e as jovens finalistas, estão no palco. Os focos de luzes são acesos em seqüência sobre cada jovem.

Interior/ dia/ plano médio/fixo
Eles fazem perguntas e as meninas respondem com desenvoltura surpreendente investidas de um “orgulho” ensaiado, capaz de emocionar e transmitir a força da personalidade de Nísia. Exemplo:
CONSTÂNCIA: De que se tratava o livro “Direito das mulheres e injustiça dos homens?”
JOVEM 01 (responde com muita segurança). “...O livro é uma tradução livre do texto da autora feminista inglesa Mary Wollstonecraft, Vindications of the Rights of Woman.”. Mas Nísia não se limitou à simples tradução: ela teve a coragem de expor o lado perverso da sociedade machista brasileira do seu tempo

Interior/noite/plano americano/travelling
Nesse instante, a personagem Nísia se levanta do cenário e caminha em direção à platéia. Fala para o público (que aparece pela primeira vez) em tom interpretativo e emocionante:.

NÍSIA - “O homem (...) arrogou a si a preeminência da força física e tudo lhe foi submetido: a moral, assim como a inteligência da mulher, que ele quis permanecesse sempre inculta, para que mais facilmente desempenhasse a humilhante missão a que a destinava”.
“Certamente Deus criou as mulheres para um melhor fim, que para trabalhar em vão toda sua vida. “Os homens não podendo negar que nós somos criaturas racionais, querem provar-nos a sua opinião absurda, e os tratamentos injustos que recebemos, por uma condescendência cega às suas vontades”;

CONSTÂNCIA – O que Nísia pretendia ao escrever esse livro?
JOVEM 02 – Ela queria conscientizar as mulheres dos seus direitos como seres humanos e como cidadãs.
“Se este sexo altivo quer fazer-nos acreditar que tem sobre nós um direito natural de superioridade, por que não nos prova o privilégio, que para isso recebeu da Natureza, servindo-se de sua razão para se convencerem?” “eu espero, entretanto, que as mulheres de bom senso se empenharão em fazer conhecer que elas merecem um melhor tratamento e não se submeterão servilmente a um orgulho tão mal fundado”.

PROFESSOR – O que ela achava do comportamento das mulheres de sua época?
Jovem 04 – Ela defendia os direitos iguais para o trabalho entre homens e mulheres.

NÍSIA - “Eu digo mais, não há ciência, nem cargo público no Estado, que as mulheres não sejam naturalmente próprias a preenchê-los tanto como os homens”.

PROFESSOR – Porque ela foi hostilizada pela sociedade do seu tempo?

JOVEM 02 – Porque além de progressista e liberal, ela também foi uma abolicionista.
NÍSIA - “A escravidão, esse monstruoso parto do despotismo, esse infame libelo dos povos cristãos, foi sancionada pelos mesmos homens, que tudo haviam sabido sacrificar para libertar-se do jugo de seus opressores, e assumirem a categoria de nação livre! Eles, que acabavam de conquistar a liberdade, não coravam de rodear-se de escravos! Anomalia de um grande povo apresentada em caracteres de lágrimas e de sangue à face da civilização moderna para rebaixá-lo aos olhos da filosofia e da humanidade.

CONSTÂNCIA: Porque Nísia Floresta saiu do Brasil?

JOVEM 01 - a sociedade brasileira estava muito limitada para abrigar uma mulher com a sua personalidade...

NÍSIA - “Era-me necessário percorrer novos países, neles haurir novas impressões, sob um horizonte mais amplo, em atmosfera mais livre e, conseqüentemente, mais consentâneas com minhas preferências.”
“As viagens e a vida! A vida, que não passa de uma viagem mais ou menos árdua, mais ou menos breve! Viajar nessa viagem cujo termo só Deus conhece, ou seja, transportar-se de país em país, de cena em cena, passar de emoção a emoção conforme o interesse que inspiram os diversos objetos oferecidos ao nosso olhar, é atenuar, de algum modo, o peso de uma grande dor que nos oprime.”

PROFESSOR – O que você acha que Nísia foi, em última instância?

JOVEM 02 – Acho que ela foi uma grande humanista.

NÍSIA - “A aurora em que este esplendoroso planeta surgirá no humano horizonte, ai! não mostrar-se-á aos nossos olhos. Mas as gerações futuras abençoá-la-ão gozando dos seus benefícios, como nós já abençoamos aqueles que se esforçam em promovê-la com o coração e com a sabedoria.”

Fade in ao final da última fala.

Ao final da “revisão” dinâmica da vida e Obra de Nísia Floresta vivida pelas quatro jovens e os dois orientadores, ouve-se uma salva de palmas dos espectadores.

Interior/ dia/plano geral/fixo/ platéia
A platéia está cheia de espectadores aplaudindo.

Interior/ dia/ plano médio/fixo/palco
As jovens agradecem.

Interior/ noite/plano geral - palco
A cortina se fecha sob o aplauso do público.

Interior/ noite/plano médio – platéia
Reconhecemos no público que aplaude, as famílias das jovens que participaram desde o início; as professoras das escolas, outros alunos e alunas, etc... Eles continuam aplaudindo e a cortina se abre mais uma vez.

Interior/noite/ plano geral
No palco, não mais as meninas e sim a personagem Nísia. Ela agradece, volta a sentar-se na cadeira e recomeça a escrita (a música sobe) enquanto a cortina fecha sob os aplausos do público.

Todo o grupo entra no palco de mãos dadas, agradecendo. A platéia continua aplaudindo. Entram os créditos finais.

FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário